segunda-feira, 30 de junho de 2008

Preso...

... à F. R. I. V. O. L. I. D. A. D. E. ...
... está por todo o lado...

Coincidência...

"Assim significa: não de outra maneira. (Esta folha é verde, logo não é vermelha nem amarela). Mas é pensável um ser-assim que negue todas as possibilidades, todo o predicado - que seja só o assim, tal qual é, e de nenhum outro modo? Este seria o único modo correcto de entender a teologia negativa: nem este, nem aquele, nem assim nem de outro modo - mas assim como é, com todos os seus predicados (todos os predicados não é um predicado)." (Giorgio Agamben, A comunidade que vem)

Hoje...

... acordei assim... cansado, cheio de sono mas agradecido... Viva a Espanha!

De repente...

... assim, só de repente, deito-me demasiado tarde... vejo o jogo de futebol e um filme sobre desencontros e encontros, fidelidades e resoluções masculinas e femininas... vou à net e perco-me...

... de repente, assim só de repente, são 4h00 da manhã e ainda estou acordado...

domingo, 29 de junho de 2008

Hoje...

... acordo e ouço Van She antes de mais uma tarde de praia... Strangers...

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Hoje...


... acordei assim... com vontade de viajar contigo numa carrinha amarela...

Inaugurações...

... bronzeados, bebidos, esqualidos, tristes e felizes, sapatos de várias cores e feitios, apertos de mão, beijinhos e abraços, alguns fortes e sentidos, chocolates Lindt e sumo de laranja, vodka e derivados, sinais de trânsito, carros... há coisas que não mudam...

quinta-feira, 26 de junho de 2008

I love...

... B.O.X.E.R.S. largos...
......
... liberté, egalité, fraternité...
... mas continuo a gostar muito de ti, um pouco menos...

Chuva...

Podia ser um subtítulo para minha vida... "Hearts on Fire"... sempre à procura de atingir qualquer coisa, falhando sempre... à procura do amor, positivamente procurando... com luz e música... o sol queimou por fora... a chuva continua por dentro... e aí vai mais um: F.U.C.K. !

Separação...

"L'homme séparé de son produit, de plus en plus puissamment produit lui-même tous les détails de son monde, et ainsi se trouve de plus en plus séparé de son monde. D'autant plus sa vie est maintenant son produit, d'autant plus il est séparé de sa vie". (Guy Debord, La Société du Spectacle).

... abro o livro ao calhas e leio este parágrafo... F.U.C.K. ... volta vida...

Centrifugação cromática...

... "Digital Versicolor", dos Glass Candy... uma das musiquinhas da moda... tão simples, tão colorida, tão o que é que não há nada a enganar... isto é amarelo, isto é amarelo, isto é amarelo... isto é verde, isto é verde, isto é azul... violeta... isto é uma centrifugação cromática... às vezes a vida não é muito mais do que isto... a minha pelo menos não é...

Vontade...

"A vontade, como faculdade de apetição, é nomeadamente uma de entre muitas causas da natureza no mundo, nomeadamente aquela que actua segundo conceitos e tudo o que é representado como possível (ou como necessário) mediante uma vontade, chama-se de um ponto de vista prático possível (ou necessário). " (Kant, Crítica da Faculdade de Juízo).

... apetece-me algo...

Hoje...


... acordei assim... cheio de calor... quase nu... ando pela cidade e derreto...
... estilo Capri Sone...

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Limites...

"O mundo do feliz e do infeliz, o mundo do bom e do malvado contêm os mesmos estados de coisas, são, quanto ao seu ser-assim, perfeitamente idênticos. O justo não vive num outro mundo. O eleito e o condenado têm os mesmos membros. O corpo glorioso só pode ser o próprio corpo mortal. O que muda não são as coisas, mas os seus limites. É como se sobre elas estivesse agora suspensa qualquer coisa como uma auréola, uma glória". (Giorgio Agamben, A comunidade que vem)

Hoje...


... acordei assim...

...Imagem: Anna and Bernhard Blume, exposição "Pure Reason", no Haburger Bahnhof Museum, em Berlim...

Eterno retorno...

...
... b a c k t o r e a l i t y...
... love you...

terça-feira, 24 de junho de 2008

Hoje...


... termino o dia assim... não vou ao aniversário da Bica do Sapato... opto por duas amigas, uma esplanada chunga e uns caracóis com muito molho... "bem bom"...

Data...

Tempo de solidão e de incerteza
Tempo de medo e tempo de traição
Tempo de injustiça e de vileza
Tempo de negação

Tempo de covardia e tempo de ira
Tempo de mascarada e de mentira
Tempo de escravidão

Tempo dos coniventes sem cadastro
Tempo de silêncio e de mordaça
Tempo onde o sangue não tem rasto
Tempo da ameaça
(Sophia de Mello Breyner Andresen, Data)

Um pai...

... eras um preconceituoso mas adoro-te na mesma...
... Johann Joachim Winckelmann... o pai da História da Arte...
... "Johann Joachim Winckelmann (Stendal, 9 de Dezembro de 1717 — morreu perto de Trieste, 8 de Junho de 1768) foi um historiador de arte e arqueólogo alemão. Era um Helenista e foi o primeiro a estabelecer distinções entre arte Grega, Greco-Romana e Romana, o que seria decisivo para o surgimento e ascensão do neoclassicismo durante o século XVIII. Winckelmann foi também um dos fundadores da arqueologia científica moderna e foi o primeiro a aplicar de forma sistemática categorias de estilo à história da arte. É geralmente considerado o pai da história da arte. (...)
Os primeiros anos de Winckelmann foram cheios de sofrimentos, mas a sua vontade de aprender levou-o a progredir na vida. Mais tarde, já em Roma, quando era um estudante famoso, escreveu: "Aqui (em Roma) somos estragados com mimos; mas Deus estava em dívida para comigo; na minha juventude sofri demais."
Winckelmann nunca aprendeu a falar italiano correctamente. Vivia simplesmente, alimentando-se de pão e vinho, mas o seu ascetismo e a sua solidão eram potenciados pela sua
homossexualidade. Aos 45 anos de idade, em Roma, apaixonou-se pelo jovem nobre Friedrich von Berg, e escreveu Abhandlung von der Fähigkeit der Empfindung des Schönen (1763). Quando Berg viajou para Paris, Winckelmann, destroçado, escreveu: "O espírito da nossa amizade vai seguir-te longamente até Paris, e aí, na cidade da luxúria preguiçosa, vai abandonar-te, mas aqui a tua imagem permanecerá santa para mim." (...)
A sua obra-prima, o Geschichte der Kunst des Alterthums ("História da Arte Antiga"), foi publicada em 1764, e foi rapidamente reconhecida como uma contribuição perene para a história da arte ocidental. Nesta obra, Winckelmann descreve a história da arte Grega e os princípios em que acreditava que ela era baseada, apresentando uma imagem radiante do ambiente político, social e intelectual da época que, em sua opinião, favorecia a criatividade na Grécia Antiga.
A ideia fundamental das suas teorias era que o objectivo da arte é a beleza e que o verdadeiro artista, ao seleccionar da natureza o seu tema, modifica-o e combina-o com a sua imaginação criativa para criar o padrão ideal, caracterizado por uma "simplicidade nobre e grandeza serena" ("edle Einfalt und stille Größe") - um padrão ideal em que as proporções são mantidas, e as partes, tal como os músculos e as veias, não podem quebrar a harmonia do conjunto." (Wikipédia)

Juízo...

"Mas pode-se facilmente concluir da natureza da faculdade do juízo (cujo uso correcto é tão necessário e universalmente requerido que, por isso, sob o nome de são entendimento não se tem em mente nenhuma outra faculdade senão precisamente essa) que comporta grandes dificuldades descobrir um princípio peculiar dela (pois algum ela terá de conter a priori, porque de contrário ela não se exporia, como uma faculdade de conhecimento especial, mesmo à crítica mais comum), que todavia não tem de ser deduzido de conceitos a priori; pois estes pertencem ao entendimento e a faculdade do juízo concerne somente à sua aplicação." (Kant, Crítica da Faculdade do Juízo).

... I L.O.V.E. KANT... quem canta, seus males espanta...

Hard...


... Candy (2005) é um filme desconfortável... com planos e enquardamentos brilhantes... a história ou narrativa serve-se dos meios e recursos técnicos para acentuar os constantes momentos de tensão, dúvida, hesitação... ao longo do filme somos deslocados... um homem com cerca de 30 anos e uma adolescente com 14... um pedófilo ou não, uma vítima, uma vingadora ou uma psicopata, um capuchinho vermelho que ataca... a normalidade das aparências desmontada... a perversão da beleza... um criminoso pode ser belo e despertar sentimentos de compaixão?... fiquei dividido... desconfortável... e isso é o sentimento mais próximo daquilo que entendo ser o Belo... prazer e desprazer, conforto e desconforto...

Teseu:

"Esta tabuinha grita - grita coisas horrendas! Para onde poderei fugir ao peso dos sofrimentos? Pois estou arruinado, destruído, tal é a melodia que, tendo por voz estas linhas, vi, pobre de mim, a ressoar." (Eurípides, Hipólito)...

Ainda...

... gosto muito de ti...
... mas um bocadinho menos, acho...

Hoje...

... acordei assim... com espinho no pé...
foto: Wolfgang Tillmans, exposição Berlim

Convites...

... recusados, oportunidades perdidas... costuma ser assim... mais um, menos um... a minha história também se conta assim... amanhã regresso ao ginásio... hoje vi uma pessoa atropelada por um polícia... não dormi... ouço histórias... estou sem carro... burocracias... não tem sido fácil...

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Apetecer...

"With every heartbeat" ...um vídeo... hoje apetece-me ouvir coisas destas... do armário... hoje lembro-me de ti...

Do meu avô...

... Antero... recordo a escrita, a letra e a importância da grafia, das formas e das curvas da beleza...

Um conselho...

"Dimentica tutto quello che sai e comincia a guardare. Quando esci, inizia a pensare all'arte". (Sandberg)...

Uma compra...

... Square Collection nº9 (2007)... Fernanda Pereira... unisexo...
...................
"It s a collection of 25 pieces, all different , all the same...their shape is a simple square, the sizes can be S, M, L and they fit all.All the pieces are numbered and their inside is a "non sense" dialog.Square is inspired in the actual life movements, of the city streets, movements with corners that are hight levels of adrenalin or changing points!They are rigid atitudes, bloqued concepts; bygones seduction games; the being a square closed and selfish in it's comic way of being just a geometric shape..."
...

Irreparável...

"O irreparável é o facto de as coisas serem como são, deste ou daquele modo, entregues sem remédio à sua maneira de ser. Irreparáveis são os estados de coisas, sejam elas como forem: tristes ou alegres, cruéis ou felizes. Como és, como é o mundo - é isto o Irreparável." (Giorgio Agamben, "O irreparável" in a comunidade que vem).

... uma reflexão para hoje... o irreparável é a idade...

Crash...


... um fim-de-semana louco... um ano que ainda não trouxe grandes coisas... um desastre, um acidente, um carro em cima do meu Clio... uma noite no Hospital... raios x e declarações amigáveis... burocracias... um retrato... um aniversário... mais outro... e trabalho, muito trabalho... praia e bronzeado excessivo...

sexta-feira, 20 de junho de 2008

E agora...

... vou ao ginásio com uma t-shirt vintage, comprada em Berlim, que diz:

Y. M. C. A.
... cof cof...

Sou bom...

... já conhecia a "Little bit"... agora, e para o fim-de-semana, adopto o título deste vídeo: "I'm Good, I'm Gone"... Lykke Li é mais um produto embaladinho e fresquinho da Suécia... é como o Ikea, enquanto dura é bom... o problema é que dura pouco...

Deitei-me...


... às 4h30 da manhã, depois de um serão com futebol, jantar, Wagner, conversas, risos, arte, mais conversas, confissões, desabafos e risos, amendoíns, água, muita água e gelo... acordo cansado, visto-me, como um pão de leite simples e bebo um galão de máquina, tomo um BEN-U-RON para evitar as possíveis dores de cabeça, termino o trabalho que devia ter entregue ontem, ligo a ventoínha, olho para a rua, para o reflexo do sol que bate na parede do prédio amarelo e que me deixa cego... penso nas conversas... apetece-me conversar... adoro o Verão...
... imagem: pintura de William Hogarth...

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Hoje...

... acordei assim... uma tosta... com a pele toda lixada...
Kristoffer Akselbo, Mona Liza Toaster, 2007
(modified toaster, aluminium plates withcut-out images 21 x 30 x 16 cm)

Hoje...

adormeço assim ... each man kills the thing he loves...

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Untitled...

... uma peça para galeria é a nova obra de André Murraças, um misto entre teatro, instalação, artes visuais, performance, e o que quiserem... três fases, três perspectivas, três experiências, três formas de conhecimento, de experiência estética... ao longo de quase 1 hora (varia, de acordo com a nossa disponibilidade) o espaço branco, o white cube, amplifica-se, aparecem novos elementos, novos detalhes... pela primeira vez olho verdadeiramente para os defeitos do espaço, para as qualidades da luz... a não perder... até 21 de Junho:

untitled-teatro.blogspot.com

... revi-me em vários momentos... nos sapatos das inaugurações e nos beijinhos que já dei na escuridão de uma instalação... a arte é mais do que uma imagem emoldurada...

terça-feira, 17 de junho de 2008

Hoje...

... acordei assim... mais ou menos lascivo...
... sensual; libidinoso; desregrado; brincalhão; travesso...

Super-heróis...

... viagem ao mundo dos superheróis... Hulk, um homem musculado e verde, com cara de mau... a bela e o monstro... sexo e cidade e as super-mulheres... um homem perdido pelas terras do médio-oriente, mulheres nuas e fotografias... o acontecimento misterioso das abelhas que desaparecem e a desorientação humana... os sobreviventes do Holocausto... o cinema continua cheio de super-heróis...

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Corpo...

"Nunca como hoje o corpo humano - sobretudo o feminino - foi tão maciçamente manipulado e, por assim dizer, imaginado de alto a baixo pelas técnicas da publicidade e da produção mercantil: a opacidade das diferenças sexuais foi desmentida pelo corpo transexual, a estranheza incomunicável da physis singular abolida pela sua mediatização espectacular, a mortalidade do corpo orgânico posta em dúvida pela promiscuidade com o corpo sem órgãos da mercadoria, a intimidade da vida erótica refutada pela pornografia. Todavia, o processo de tecnicização, em vez de investir materialmente o corpo, estava orientado para a construção de uma esfera separada que não tinha com ele praticamente nenhum ponto de contacto: não foi o corpo que foi tecnicizado, mas a sua imagem. Assim o corpo glorioso da publicidade tornou-se a máscara por detrás da qual o frágil e minúsculo corpo humano continua a sua precária existência, e o geométrico esplendor das girls cobre as longas filas dos anónimos corpos nus conduzidos à morte nos Lager, ou os milhares de cadávares martirizados na quotidiana carnificina das auto-estradas". (Giorgio Agamben, A comunidade que vem)

Nas bancas...

... a edição de Junho...

domingo, 15 de junho de 2008

Aniversário...

... do Frágil... 26 anos...

... we still love you...

Constatação:


"Os portugueses têm vergonha das suas ideias"
(Germana Tânger, Câmara Clara)

Hoje...


... acordei assim...

Adorei...

F.O.R.C.E. of N.A.T.U.R.E.
... no Lux, depois de uma noite descaracterizada no Frágil (hoje é o aniversário, 26 anos)...

sábado, 14 de junho de 2008

Praia...

... não há muito a dizer... passo os dias a olhar para esta praia... as recordações sucedem-se... aquela que me deixa sem... és tu... numa toalha, ao meu lado, a dormir... a ilusão do que nunca fomos, do que nunca seremos... uma tarde... eu e tu... nunca nós...

Não pensar...

"É graças a esta potência de não pensar que o pensamento pode virar-se para si próprio (para a sua própria potência) e ser, no seu auge, pensamento do pensamento". (Giorgio Agamben, A comunidade que vem)

... tento não pensar... aceito o que passa por mim, o que não vivo, o que não... "preferiria de não"...

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Espelho...


... em Berlim...

Amor

"Porque o amor nunca escolhe uma determinada propriedade do amado (o ser-louro, pequeno, terno, coxo), mas tão-pouco prescinde dela em nome de algo insipidamente genérico (o amor universal): ele quer a coisa com todos os seus predicados, o seu ser tal qual é. Ele deseja o qual apenas enquanto tal - este é o seu particular fetichismo". (Giorgio Agamben, A Comunidade que vem)

Bloquear...

... desgravar conversa... fico com mão e cotovelo de jornalista... leio livros... textos... acumulo... reflexão e ponderação... bloqueio...

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Uma caixa...


... que se abre, que revela, que esclarece que uma caixa nunca é só uma simples caixa, mas também é... uma despedida sem o ter sido... as chaves, um último olhar... adeus e até nunca mais...

Hreinn Friðfinnsson, Floor Piece, 1992-07,
fluorescent paper, bookbinding material,cardboard box


BACK...


... to W.O.R.K. ...

... e está tanto calor...

terça-feira, 10 de junho de 2008

Música de Berlim...

... Ellen Allien, "Stadtkind"... a banda-sonora perfeita para Berlim...

Um prédio...

... em Berlim... a arquitectura coloca questões...

Roleta...

Numa noite cheia de desastres emergentes, Bruno Safara revela-nos o seu universo marcado pelo conhecimento de uma cultura electrónica variada e que, fazendo justiça ao seu nome, promete um verdadeiro safari por entre as savanas musicais. O texto de apresentação publicado na newsletter do Lux é elucidativo. Bruno Safara é um divulgador e as misturas que faz são cultura, demostram conhecimento, investigação, selecção... temos D.J.. A roleta luxiana continuou noite dentro e os disparates e os pastiches sonoros foram constantes. As repetições, as más repetições do que já conhecemos, a histeria auditiva - óptimo disfarce -, o aborrecimento da batida minimal, a barulheira dos decibéis maximais... oh what a night...

... a noite terminou... carros separados... voltei para o sofá e acordei com dor numa gengiva que perdura... Comporta, chocos fritos, jogo de Portugal, golfinhos, noite em Setúbal, regresso, hemorragia, água oxigenada, nimed e cama...

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Hoje...


... acordei assim...

Excerto

"Não é raro acontecer, quando um homem é tratado arrogantemente, de forma injusta e sem precedentes, que ele comece a perder a confiança em si próprio. Começa a desconfiar vagamente, como neste caso, que, por espantoso que pareça, a justiça e a razão sempre estão do outro lado. E é assim que, se estão presentes pessoas que não se encontram envolvidas no assunto, ele se volta para elas de modo a que lhe sirvam de reforço - à sua razão vacilante." (Herman Melville, Bartleby, O Escrivão).

... um excerto para hoje...

We walk...


... em Berlim... andámos... M.U.I.T.O. ...

Lá dentro

"Para despertar a realidade mitológica do labirinto precisamos deste acto de imaginação e de transposição." (Károly Kerényi, Estudos do Labirinto)

A memória...

... tem surpresas... ultrapassa-nos, engana-nos sobre o que realmente sabemos ou vivemos... selecciona, omite temporariamente certos aspectos... constrói imagens deturpadas da realidade... a memória é como o gosto... subjectiva e potencialmente universal... é uma experiência sobre o tempo, o espaço e, claro, sobre a transitoriedade das nossas emoções, afectos e pensamentos....

... a memória é uma rasteira, daquelas estrategicamente colocadas... à espera do nosso deslumbramento perante a vida, pessoas, acontecimentos e objectos... voltei a cair... shit!

Ainda...


... sim, ainda estou de férias...

Sem título

Um novo projecto de André Murraças a não perder. Eu vou!

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Hoje...

... acordei assim... platónico... uma sombra...

Pensar...

Um after-dinner. Reunir as tropas. Safara mete música no Lux, a partir da 1h00 da manhã. Lá estarei. Lá estaremos. Os intestinos não estão famosos mas o valor deste talento exige o sacrifício.

Praia, ginásio, praia e ginásio. Supermercado. Lanches com o pai. Telefonemas. Trabalho.

Discussão prolongada sobre o poder dos judeus na actualidade. Sobre o sentimento de culpa, sobre o passado, sobre a possibilidade de repetição, sobre as conseqências do presente. A propaganda, a informação, o prazer de ver o sofrimento, de o sentir. A angústia. Pensar é sofrer. E não podia ser de outra forma.

Uma t-shirt azul eléctrico. Uns calções azuis escuros. Uma long-sleeve cinzenta. Uns ténis One Star Converse bancos e verdes. Umas meias verdes. Um saco. Praia e ginásio.

Ponto G.

Vem cá... em Julho... soube na praia... duas meninas deitadas na areia, uma americana e outra portuguesa... discutiam operações de inserção de silicone no ponto G e de uniformização cromática das frestinhas... festas, bebedeiras e gajos... vão estar na M.I.A. (soletra-se, diz a americana)...

Bonjour...

... tristesse... oui... c'est moi...
... um prédio em Berlim...

Praia...

... e ginásio... os meus dias resumem-se a isso...

... cozinhar e lavar a loiça... as minhas noites são divertidas...

... nem tudo o que reluz é ouro... nem tudo o que é louro reluz...

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Quando...

... for grande quero ter este carro.

Real

"Veja, o que perturba o Mundo é a desproporção entre a rapidez do espírito e o imenso peso, a lentidão, a incrível preguiça e força da matéria. É preciso admitir que essa desproporção poderia servir de desculpa a um espírito que se desinteresse da realidade, porque é de regra que os fermentos que produzem de facto as revoluções de há muito lhe repugnam. Com efeito, o espírito morto repugna mais ao espírito vivo do que quaisquer basaltos que, pelo menos, não pretendem ser espírito e vida. Tais basaltos, restos de realidades antigas, que o espírito deixou tão longe atrás de si que se a recusa ligar-lhes o conceito do real, conservam-se pela inércia, e, devido à sua persistência bruta e inanimada, impedem infelizmente as ideias ultrapassadas de se dar conta do que são." (Thomas Mann, Montanha Mágica)

Waffle...

Um Waffle com molho de chocolate e um copo de leite frio, por favor.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Férias?

Ainda não parei, ainda não descansei, ainda não reflecti sobre o que vi e vivi. Uma visita da Alemanha. Almoços e jantares. Monumentos, museus, jardins, lojas e praia. Lanches e pequeno-almoços. Organizo as milhares de fotografias tiradas. Preparo-me para a grande noite de sexta-feira, no Lux (Bruno Safara é um gos dj's convidados).

Interrompo este blogue até para a semana, altura em que recomeço a minha actividade regular no âmbito da escrita.

Regresso


Para o regresso de uma viagem nada como uma noite no Lux. Na Sexta-Feira vamos "riscar o salão" quando o Fabulous Bruno Safara tocar na Roleta. Um amigo de Berlim.