sábado, 24 de janeiro de 2009

Crescer

"So há uma solidão e essa é sempre grande e difícil de viver e quase sempre todos têm horas em que bem gostariam de trocá-la por qualquer companhia, ainda que banal e bem barata, pela aparência de uma consonância mínima com quem quer que apareça, até com o mais indigno... Mas talvez já sejam essas, exactamente, as horas em que a solidão cresce; que o seu crescimento é doloroso como o crescer dos meninos e triste como o princípio das primaveras." (Rainer Maria Rilke, Cartas a Um Jovem Poeta, in Vasco Araújo, Hereditas)

Sem comentários: