sábado, 28 de fevereiro de 2009

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Ouvia em loop:

If I laid down my love
To come to your defense
Would you worry for me
With a pain in your chest?
Could I rely on your faith to be strong
To picked me back up and to push me along?
Tell me
You'll be there in my hour of need
You won't turn me away
Help me out of the life I lead
Remember the promise you made
Remember the promise you made
If I gave you my soul
For a piece of your mind
Would you carry me with you
To the far edge of time?
Could you understand if you found me untrue
Would we become one, or divided in two
Please tell meYou'll be there in my hour of need
You won't turn me away
Help me out of the life I lead
Remember the promise you made
Remember the promise you made
Could I rely on your faith to be strong
To pick me back up and to push me along
Please tell me
You'll be there in my hour of need
You won't turn me away
Help me out of the life I lead
Remember the promise you made
Remember the promise you made

Amnésia


É o título da exposição do artista Pedro Gomes, na Galeria 111. Desenhos perfurados a partir de imagens de todos os dias - positivo e negativo retiniano -, num desenvolvimento positivo daquilo que já vimos anteriormente. A não perder e a não esquecer!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Solução para crise

Current mood:

I could feel at the time
There was no way of knowing
Fallen leaves in the night
Who can say where they´re blowing
As free as the wind
And hopefully learning
Why the sea on the tide
Has no way of turning
More than this - there is nothing
More than this - tell me one thing
More than this - there is nothing
It was fun for a while
There was no way of knowing
Like dream in the night
Who can say where we´re going
No care in the world
Maybe i´m learning
Why the sea on the tide
Has no way of turning
More than this - there is nothing
More than this - tell me one thing
More than this - there is nothing

Hoje:

Novidade?

"The structural chart is effectively complete. Much new art will be made, but no new kinds of art will appear - so Danto Claims - for all the possibilities have been discovered. As in chess, the essential rules of the game have been laid down; all that now is possible are moves following those conventions." (David Carrier, Art History)

Tudo na mesma. ah well... dizem que amanhã vai chover!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Tesão

Mircea Cantor, Deeparture, 2005

A propósito de uma vagina:

"Blasphème, propagande nazi, racisme, atteinte à la dignité humaine, obscénité: il arrive que des oeuvres d'art contemporain transgressent les frontières non plus de l'art, du musée ou de l'authenticité, mais de la morale." (Nathatlie Heinich, Le Triple Jeu de L'art Contemporain)

I Love my Mum

Intervenção Yoko Ono em Varsóvia!

Escrevi!


Não fui...

... a Badajoz mas queria muito ter ido. Vasco Araújo mostra o seu mais recente filme, O Percurso, filmado nas terras secas da Andaluzia. A não perder!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Até já...

História da Arte

“Art history and museums of art consequently establish certain conditions of reading objects and images in such a way as to foreground the rethorical economies of metaphorical and metonymic relationships. Both situate their users (operators) in anamorphic positions from wich the 'history' of art may be seen as unfolding, almost magically, before their eyes. Regardless of the fragmentary or partial nature of a particular museum collection or of a given art historical archive or curriculum, both funtion as exemplary or emblematic instances of an imaginary, ideal plenitude. Objects known and unknown will have their 'place', their proper and fixed locus in that encyclopedic and universal history of art projected onto the horizon of the future. Both art historical and museological practice, to paraphrase Walter Benjamin, deal in allegorical figures that express a certain 'will to symbolic totality' and that continually stare out at us as incomplete and imperfect. At the same time, the narrative stagings of these two mechanisms of our modernity, in their evidential and implicational palpabilities, hold out the promise that all will eventually make sense. In short, art history and museology constitute the promise that whatever might occur could onde day be made meaningful”. (Donald Preziosi, The question of Art History)

A leilão:

Para quem gosta do género, vários objectos, algumas coroas cheias de coisas brilhantes, pinturas, meias, entre muitas outras tipologias, pertencentes ao Rei da Pop vão a leilão.
"Say what you will about Michael Jackson’s 30 plus years of bizarre behavior, he was an unusually good collector by certain fine art standards. For example, more than one dealer I’ve talked to describe focus, patience, and a willingness to take risks, as the cornerstone of fine collections, and certainly an attribute seen amongst the personal effects from Jackson’s Neverland Ranch. So how is it Sotheby’s or Christie’s hasn’t taken the sale? Darren Julien, a Los Angeles-based auctioneer of celebrity merchandise, scoops this sale of the century, set to take place this April at The Beverly Hills Hotel."
(in Art Fag City, www.artfagcity.com)

Zeitgeist

CUSCAR A VIDA DOS OUTROS!

Discurso

“Speaking of the individual painting as a self-sufficient object is a questionable convention. When I stand before Manet's A Bar at the Folies-Bergère in London, I can also think of the individual painting as one element in various sequences of works: Manet's oeuvre; nineteenth-century Franche painting; modernist art. What is within that frame in London, that thing I can see at a glance, is really but one small piece of these groups of things. The object I see in splendid isolation in the modern museum is but a fragment of a larger whole described in the art historian's narratives.” (David Carrier, Art History)

Em fecho...

... de edição! Até já!!!!!

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Primeira vez...

... na praia, em 2009, só com calções de banho (do ano passado), iPod, livros e muito sono.
Dormir, ver quem passa, molhar os pés e perceber que ainda não é Verão.
O sol é quente mas ainda não queima (ok, fiquei com uma leve cor).
Percebo que é por isto que adoro viver em Lisboa!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Acordem-me...

... quando chegarmos aos "crazy" anos 20!

LOVE IT:

www.thelovemagazine.blogspot.com

A ouvir:

"Cocknbullkid (aka Anita Blay) is a London-based songstress causing a credible stir with a romantic, soulful electro sound all of her own. Once described as the musical lovechild of Morrissey and Neneh Cherry, Blay more than lives up to her reputation - lets face it, that very statement says it all. The Cocknbull kid is making waves with a musical style that will prick up the ears of the most discerning music lovers; there are lashings of feisty, fashionable attitude but her debut EP is a collection of loveable, stand alone pop tracks that more than merit her hype."

Parabéns...

... a um amigo. Um sofá partido, uma mousse que queria ser trapalhona, uma t-shirt, a Mona Lisa, Fassbinder, fotografias, poses, favoritos e favoritas, livros de arte, sites, brunas gordas... o eterno encanto de uma vida... toujours gai! Andy... we love you!

Será?

... este fim-de-semana o meu debute balnear?
hummmmm
Imagem: Norbert Bisky

O vidro da história

"For Summerson, the museum's vitrine - 'the history glass' so like the window of the railway observation car moving away from the past - is directly analogous to the microscope slide of the scientist in the laboratory and to its locus in an incresingly expanding and refined taxonomic order of specimens.
As the laboratory scientist dissects, analyses, and 'peers at' specimens, breaking them into their component parts and distinctive features, so too would Summerson's art historian endeavour to read in the specimens the signs and indices of time, place, ethnicity, biography, mentality, or national or individual morality - in short, to read in artworks evidence of their historicity: their position within an ever-expanding mass of work 'coextensive with the history and geography of man'". (Donald Preziosi, The question of art history)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Novos tempos

Depois da euforia e alegria da primeira década do século, os novos tempos são de reflexão, ponderação, à semelhança do que foram os anos 90. Depressão? Não necessariamente. Mas os grunges andam por aí.
Bon Iver é um sinal dos tempos!
Outros nomes a fixar: Arcade Fire, Antony, Cat Power, Spoon, Andrew Bird, Yo La Tengo, Sufjan Stevens e os The National. Referências para uma nova geração.
Já andamos todos de xadrez, outra vez, barbas, cabelos despentados, bigodes e afins.

Just use it!

"Parece bastante claro que este permiso (o presión) para penar el campo expandido fue sentido por una serie de artistas más o menos al mismo tiempo, aproximadamente entre los años 1968 y 1970, pues uno tras outro Robert Morris, Robert Smithson, Michael Heizer, Ricahard Serra, Walter DeMaria, Robert Irwin, Sol LeWitt, Bruce Nauman... formaron parte de una situación cuyas condiciones lógicas ya no pueden describirse como modernistas. A fin de nombrar esta ruptura histórica y la transformación estructural del campo cultural que la caracteriza, es preciso recurrir a otro término. El que ya se utiliza en otras áreas de la crítica es posmodernismo, y no parece haber motivo alguno para no utilizarlo."

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Tema

Preciso de um tema para um trabalho. Preciso de me interessar por qualquer coisa. Não me interesso por nada.

Já adormeci...


... assim!
Praia do Amado, Alentejo, Verão 2006.

O desenho...

... que é mais do que o Desenho. Qual seria a condição negativa do Desenho? Será o Desenho desenho ou aquilo que o Desenho já não é?

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

We?


Já vivi:

"Mas após ter-me metido sozinho no táxi para casa, arrependi-me amargamente da minha decisão. Estúpido, estúpido, estúpido." (Frederico Lourenço, A Formosa Pintura do Mundo)

Set in stone

Revelação

"O ideal manifesta a sua verdadeira natureza ao reintegrar de tal modo a existência exterior no espiritual que este encontra na fenomenalidade exterior, assim adquada ao espírito, a sua revelação." (Hegel, Estética. O belo artístico ou o ideal)

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Quero ler:

Para quem gosta do assunto, a revista Beaux Arts tem um artigo interessante sobre exposições que mostram a influência de Darwin na arte:
"Aujourd'hui, à l'heure du code génétique et du clonage, le vieux sage est plus que jamais d'actualité, sans cesse commenté et analysé. Il faut dire que certains extraits de ses écrits sont d'une clairvoyance redoutable: 'Il n'y a aucune exception à la règle que tout être vivant se multiplie naturellement avec tant de rapidité que, s'il n'est pas détruit, la terre serait bientôt couverte para la descendance d'un seul couple. L'homme même, qui se reprodiut si lentement, voit son nombre doublé tous les vingt-cinq ans, et, à ce taux, en moins de mille ans, il n'y aurait littéralement plus de place sur le globe pour se tenir debout.' Une parole visionaire." (Coriette Glaas, "Science, chimères & fantasies", in Beaux Arts)

Sobre Jochen Lempert:

Passados 150 anos sobre a publicação de A Origem das Espécies, de Charles Darwin, deparamo-nos com um modelo científico que alterou muitas das suas premissas metodológicas e discursivas. A ciência pós-moderna é, segundo Jean-François Lyotard, em A Condição Pós-Moderna, a “pesquisa de instabilidades”, decorrente da crise de uma orientação determinista e positivista que garantia a acreditação de um saber legitimado em narrativas do poder sobre a natureza e sobre o homem. Um olhar sobre o discurso elaborado pelas ciências, pelo paradigma moderno, leva-nos a uma viagem por alguns dos alicerces da forma como nos relacionamos com o mundo que nos rodeia. Ainda que, na actualidade e desde há uns anos, consideremos este modelo em crise, “os grandes cientistas que estabeleceram e mapearam o campo teórico em que ainda hoje nos movemos viveram ou trabalharam entre o século XVIII e os primeiros vinte anos do século XX, de Adam Smith e Ricardo a Lavoisier e Darwin, de Max Durkheim a Max Weber e Pareto, de Humboldt e Planck a Poincaré e Einstein”, sublinha o sociólogo Boaventura Sousa Santos, em Um Discuso sobre as Ciências, livro emblemático sobre a crise de um modelo de racionalidade que presidiu a ciência moderna desde o século XVI, e a emergência de um novo paradigma de conhecimento e elaboração de discurso científico, com o inerente colapso da tradicional dicotomia ciências naturais/ciências sociais e com a aproximação progressiva às humanidades. Opta-se por uma perspectiva que prefere a compreensão do mundo à sua manipulação. Para esta nova situação, ainda segundo o sociólogo da Universidade de Coimbra, no mesmo livro, “confluem sentidos e constelações de sentidos vindos, tal qual rios, das nascentes das nossas práticas locais e arrastando consigo as areias dos nossos percursos moleculares, individuais, comunitários, sociais e planetários. Não se trata de uma amálgama de sentido (que não seria sentido mas ruído), mas antes de interacções e de intertextualidades organizadas em torno de projectos locais de conhecimento indiviso”.
A exposição de Jochen Lempert, "Trabalho de Campo", na Culturgest, é um desses tantos afluentes do conhecimento. Uma perspectiva de registo empírico aberta a diferentes horizontes de expectativas. "Nós só vemos aquilo que sabemos", máxima de Gombrich, e a maioria de nós, meros leigos, infelizmente, vê muito pouco. A não perder! Ver, ver, ver, ver... até se saber!

Já senti:

Oui! J'adore... JUSTICE :)
+

Acontece

"No lugar daquilo a que sempre chamara 'eu', estava agora a imagem reflectida de outro ser, em função do qual eu vivia. Já nada dizia respeito a mim - muito menos a mais ninguém da minha família ou relações (pois a todos eu teria traído ou rejeitado de bom grado, se tivesse tido de escolher entre eles e o objecto daquele amor). Passou a haver só uma realidade no mundo: ele." (Frederico Lourenço, A Formosa Pintura do Mundo)

Depois de três dias a ler Frederico Lourenço... sinto-me como se estivesse estado em terapia intensa!

Ler


É um poder. Saber ler e escrever. É poder pensar através dos outros. É revelar mundos, "modos de fazer mundos". Ler é amar. É uma forma de conhecer o amor. Ler é uma identificação. Um filme sobre o poder de ler e com um aviso: dos campos de concentração não sai nada (nunca visitei nenhum, estive quase a ir, desisti, percebi a tempo).
Ler, ler, ler, ler, ler!!!!

Histórias

"As histórias nunca vivem solitárias: são ramos de uma família, que é preciso percorrer em ambos os sentidos." (Roberto Calasso, As núpcias de Cadmo e Harmonia)

Thanks V.! Adoro o livro...

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Senso comum


Fui!

Mas não deu certo, acho. Combinámos no Museu da Cidade. Eu queria ver a exposição de desenhos e vi e adorei. Aproveitei o descanso do trabalho para um encontro às cegas, vulgo "blind date". Sentei-me no parapeito da estufa, no jardim, ao sol. Esperei. Mandei-lhe um sms:
- "Visto uns jeans, uma camisola azul, um blazer de bombazine, um lenço com cornucópias e calço uns ténis clássicos brancos da Reebock."
Chegou e era alto. Vinha com um saco de plástico na mão e disse-me que precisava de um café.
Fomos embora no meu carro. A conversa é em inglês. Passeámos pela cidade e acabamos numa esplanada, ao pé do Lux, cheia de coisas gourmet. Sentámo-nos durante 3 horas e falámos e falámos e falámos... Escureceu. Tirámos os óculos-de-sol. Arrefeceu, pagámos e fomos embora. Na Prala do Chile, despedimo-nos com um aperto de mão. Adeus, ciao. Fecha a porta do carro. Sigo para casa. Ouço a rádio Radar e uma entrevista a um tipo que se chama Gel. Diz, a certa altura, que "o pessoal não anda bem a dizer o que sente".

Quero ir!


Já fui e não sou bem recebido. Vou tentar e tentar e tentar...

Ofereceram-me...

... uma bola de espelhos. Dois amigos.
É viciante. Define uma geração e um tempo.
Cria ambiente e fragmenta-nos em pequenos pedaços de luz.
I'm in love.

Sentir mal

"À semelhança da pessoa que muda de género e depois não se sente membro nem do sexo novo nem do antigo, eu não me sentia bem com quem era 'bem', mas sentia-me desconfortavelmente 'bem' com quem não era. Com todos me sentia, de qualquer forma, imensamente mal." (Frederico Lourenço, A Máquina do Arcanjo)

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Tipo imitação


É irritante. Até parece giro. Ate parece ser A Cidade de Deus. Até parece ser mais do que é e dizer mais do que parece dizer. Até tem umas imagens impressionantes que revelam estilo. Até parece genuíno. Mas não é! A sensação é de ter visto qualquer coisa como um biombo Namban, ou melhor, como uma imitação pirosa de uma porcelana chinesa feita nas louças de Sacavém. Antes um bollywood à séria do que esta derivação deslumbrada pelo exotismo da miséria humana que acontece nas ruas da Índia. São vários filmes - miséria, condição humana, novas economias, globalização mediática... - e várias possibilidades não realizadas.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Sentido

"Nesse dia, fiquei a saber quem era. A sensação foi menos de espanto do que alívio, Finalmente tudo fazia sentida: eu próprio fazia sentido." (Frederico Lourenço, Amar não acaba)

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Sou todo ouvidos...


... Sr. Hegel!!!

Trabalhar

Eu trabalho
Tu trabalhas
Ele trabalha
Nós trabalhamos
Vós trabalhais
Eles trabalham

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Gay


Não é da minha natureza o activismo organizado ou a mensagem messiânica mas aqui vai um vídeo que me foi enviado por um amigo a propósito da hipocrisia instalada em torno de questões constantemente tornadas em assuntos de debate político. Mais uma vez... ser gay ou homosexual não é uma escolha ideológica, não é uma escolha entre esquerda ou direita, não é uma questão de fé ou opção religiosa, não é uma questão cultural, apesar de influenciar uma cultura, não é hereditário, não é um modelo de vida, não é reversível porque sempre foi o que é desde o início e não se pode voltar atrás para uma coisa que nunca se foi.
Se me apetecer casar a minha pilinha com outra pilinha... caso!

Pureza

"Estamos um pouco cansados deste legitimismo pela pureza, este moderno desejo artista de reduzir todas as práticas e todos os materiais à sua castidade essencial, depurando-as de todos os depósitos estranhos, estancando todas as infiltrações, procurando desesperadamente substraí-las a contaminações que assim apenas se podem supor perigosas." (Pedro Miguel Frade, Figuras do Espanto)

Ontem...


... comecei a ver este filme. Gélido!
THX 11 38

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

A propósito de...

... Darwin: "Está uma tarde absolutamente adorável. O ar é belíssimo. Há uma neblina sobre o bosque que é como a floração roxa da ameixa. Vamos deitar-nos na relva, fumar cigarros e gozar a natureza." (Oscar Wilde, O declínio da mentira)

Em Paris:


No Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris: Jimmie Durham e a exposição "Pierres rejetées". Um admirável ensaio sobre a fragilidade das coisas. A performance das pedras.
A não perder!

Desejo

"O desejo premente de ver determinadas coisas não depende só da grandeza, beleza ou importância das mesmas, antes está entrelaçado com muitas impressões ocasionas recebidas durante a juventude, com aquele antigo gosto por ocupações individuais, com a inclinação para a lonjura, com uma vida agitada. Por outrolado, é a improbabilidade de ver realizado um desejo, que lhe confere um encanto muito particular." (Alexander von Humboldt, Pinturas da Natureza, uma antologia)

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Paris...

... e o prazer do poliester!

Um jantar...

... com uma empada deliciosa. Deslizámos pelo tempo e nem reparámos. Um lanche com 30 amigos e um candeeiro Kartel. Telefonemas e muito trabalho. Esta semana promete... WORK!

domingo, 8 de fevereiro de 2009

A ler...

... depois do artigo sobre o New French Touch, Electro Française L'après Justice, e antes do dossier dedicado a Brad Pitt / David Fincher, na revista Les Inrockuptibles.



Abandono divino

No avião, de regresso a Lisboa, sentado à janela, lugar 6A, fila esquerda, quase classe executiva, abro um dos livros e leio sobre os seres no limbo:

"A pena maior - a ausência da visão de Deus - transforma-se assim em natural alegria: irremediavelmente perdidos, permanecem sem dor no abandono divino. Não é DEus que os esqueceu, são eles que o esqueceram desde sempre, e contra o seu esquecimento é impotente o esquecimento divino." (Giorgio Agamben, A comunidade que vem).

Imperdível

A exposição de Jochen Lempert, na Culturgest.
Imagens do mundo animal.
Gabinete de maravilhas.

Acordar...

... com vista.
A viagem a Paris foi assim!

Jouissance

"L'attitude de jouissance dont l'art implique la possibilité et qu'il provoque est le fondement même de l'expérience esthétique; il est impossible d'en faire abstraction, il faut au contraire la reprendre comme objet de réflexion théorique, si nous voulons aujourd'hui défendre contre ses détracteurs - lettrés ou non lettrés - la fonction sociale de l'art et des disciplines scientifique qui son à son service." ( Hans Robert Jauss, Petite Apologie de l'Expérience Esthétique)

Jouissance? Prazer, gozo, fruição, satisfação... mais?

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Amanhã...


... nas bancas!
Primitivos e contemporâneos.
Um fotógrafo entre Nova Iorque e Índia (André Murraças).
O leilão mais chique de 2009: a colecção do casal Yves Saint Laurent / Pierre Bergé (MCES).
Margarida Mendes é Novo Talento.
E o social é dedicado ao Museu de S. Roque (NAF).
Amanhã... vou a Paris mas já venho!
À bientôt!

Isto...

... por aqui é a correr!!! Reuniões e apresentações, entrevistas desgravadas, farmácia, meias e gravata, Paris, textos, mestrado, biografias e bibliografias, livros e leituras bulímicas, chocolates, galões... ahhhhhhhhhhhhhhhhh

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Current mood:


História

"Existe um quadro de Klee que se intitula Angelus Novus. Representa um anjo que parece preparar-se para se afastar do local em que se mantém imóvel. Os seus olhos estão escancarados, a boca está aberta, as asas desfraldadas. Tal é o aspcto que necessariamente deve ter o anjo da história. O seu rosto está voltado para o passado. Ali onde para nós parece haver uma cadeia de acontecimentos, ele vê apenas uma única e só catástrofe, que não pára de amontoar ruínas sobre ruínas e as lança a seus pés. Ele quereria ficar, despertar os mortos e reunir os vencidos. Mas do paraíso sopra uma tempestade que se apodera das suas asas, e é tão forte ue o anjo não é capaz de voltar a fechá-las. Esta tempestade impele-o incessantemente para o futuro ao qual volta as costas, enquanto diante dele e até ao céu se acumulam ruínas. Esta tempestadeé aquilo a que nós chamamos o progresso." (Walter Benjamin, Teses sobre a Filosofia da História)

Por falar em vazio...

... vai ser lançado um novo filme a partir de mais Brett Easton Ellis!
Back to 90's!

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Melhor filme...


... melhores actores, melhor tudo!
Frost/Nixon é um filme sobre política, jornalismo, entretenimento, intriga e luta.
Filmado como se fosse um combate de boxe, com altos e baixos, o filme agarra-nos pela espessura das imagens:o fumo constante, a transpiração, as camadas que ocultam a verdade e a redenção possível.
Watergate foi um dos primeiros livros sérios que li. Garganta Funda foi para mim, durante muitos anos, um personagem da melhor conspiração jornalística.
O filme é um profundo broche ao sistema americano!

domingo, 1 de fevereiro de 2009

A saber:

Misturar-se

"O seu empenho era misturar-se com a multidão, fazer parte da humanidade. E era o que não sabia fazer. Não bastavam os pensamentos, faltava-lhe a aplicação. Tudo se passava exclusivamente na sua imaginação." (Almada Negreiros, Nome de Guerra)