sexta-feira, 31 de julho de 2009

Pop


Tudo, calções e revista, derivado de Andy Warhol.
Um Verão, o último Verão da primeira década do século XXI.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Current mood:


Confusão

"A estrutura política da nação afecta a sua cultura e, por sua vez, é afectada por essa cultura. Todavia, hoje em dia, interessamo-nos demasiado pela política interna dos outros e, ao mesmo tempo, temos muito pouco contacto com a cultura desses outros países. A confusão de cultura e política poderá conduzir a duas direcções diferentes." (T. S. Eliot, Notas para a Definição de Cultura)

Acordei com uma enxaqueca. Tomei um Ben-u-Ron, adormeci durante mais 1 hora. Passou, acho. Vou almoçar.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Abano


Função

"Imagining the exceptional, often understood as the miraculous, the magical, or the supernatural, is a perennial job of storytelling." (Susan Sontag, At the same time)

Quero ver...


... o novo filme de João Pedro Rodrigues, Morrer como um Homem.
Roubei a imagem, o still ou frame, ao André.
ANSIOSOOOOO!

Lisboa


Elites

"Mas, embora se admita geralmente que as classes, em qualquer sentido que tenha associações com o passado, desaparecerão, alguns dos mais avançados espíritos têm manifestado a opinião de que, apesar de tudo, continuará a ser necessário reconhecer algumas diferenças qualitativas entre os indivíduos, e de que os indivíduos superiores deverão ser formados em grupos adequados, dotados de poderes apropriados e, talvez mesmo, com diversas honrarias e emolumentos. Esses grupos, formados por indivíduos aptos aos poderes de governo e administração, deveriam, portanto, dirigir a vida pública da nação; os indivíduos que compusessem esses grupos seriam chamados 'líderes'. Haveria, segundo esse princípio, grupos interessados em arte, grupos interessados em ciência e grupos interessados em filosofia, bem como grupos constituídos por homens de acção: e esses grupos seriam aquilo a que chamamos elites." (T. S. Eliot, Notas para a Definição de Cultura)

Leituras


Não sou o único!

"Aquilo que eu estava na iminência de agarrar desfazia-se em cinzas nas minhas mãos, e perante os meus olhos restava um deserto a perder de vista." (Yukio MIshima, O Templo Dourado)

terça-feira, 28 de julho de 2009

Auto-retrato:


Cancelar

Eu cancelo
Tu cancelas
Ele cancela
Nós cancelamos
Vós cancelais
Eles cancelam

Percursos


Não recebo alguns convites. Vou ao cinema. Vejo praias, vejo adolescentes que preferem melhor a morrer. Desespero com os filmes de sempre. Admiro-me com as imagens do mundo projectadas na parede branca da minha sala. Visto uma t-shirt com riscas brancas e pretas. As dores continuam. Massacram-me. Um documentário sobre as Dixie Chicks, no Teatro S. Luiz, não traz nada de novo (já as tinha visto na Oprah a contar a história de uma sabotagem nacional) e é demasiado datado. Leio Eliot, Mishima, olho para as obras de Daan van Golden, folheio a Props e adoro os desenhos de um amigo. Leio alguns textos. Mais um morto. Merce, depois de Michael e de Pina. Um Verão triste.... tenho medo de morrer sózinho.

Desafio:


Sem isto e sem aquilo

"Sabemos que as boas maneiras, sem educação, intelecto ou sensibilidade no que respeita as artes, tendem para se tornarem mero automatismo; que a educação sem boas maneiras ou sensibilidade não passa de pedantismo; que o talento intelectual sem os atributos mais humanos só é admirável na mesma medida do brilhantismo de um menino prodígio que seja um mestre no jogo de xadrez; e que as artes sem contexto intelectual são pura futilidade." (T. S. Eliot, Notas para a Definição de Cultura)

segunda-feira, 27 de julho de 2009

"As praias...



... de Agnès" é o melhor filme que vi em 2009.
Um relato biográfico em torno das praias que marcaram as paisagens da cineasta ou artista plástica. O cinema enquanto cinema. O reflexo das imagens. A poesia de uma mulher que amou.
Chorei.

Rimar

"In a world of unbearable cruelty and injustice, it seems as if all of nature should rhyme with grief and loss." (Susan Sontag, At the same time)

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Direita


Esquerda


Desporto?

"Multiplicam-se em todo o lado as manifestações desportivas, não é? Realmente, que sinal de decadência! O género de espectáculo que deveriam mostrar às pessoas, nunca elas o podem ver; aquilo que lhes deveriam mostrar, eram execuções capitais. Porque não são elas públicas?" (Yukio Mishima, O Templo Dourado)

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Avencas

It's the place to be!

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Odeio:

TEMPO-LIVRE

Quotidiano


Saber Demo

"We know more than we can use. Look at all this stuff I've got in my head: rockets and Venetian churches, David Bowie and Diderot, nuoc mam and Big Macs, sunglasses and orgasms. (...) And we don't know nearly enough." (Susan Sontag, citada pelo filho David Rieff, no prefácio do livro At the same Time, de Susan Sontag)

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Sinto-me assim:


Para ti, que lês:

"Pela primeira vez, Querelle beijava um homem na boca. Parecia-lhe bater com o rosto num espelho que reflectia a sua própria imagem, remexer com a língua o interior estático de uma cabeça de granito. No entanto, como se tratava de um acto de amor, e de amor culpável, soube que cometia o mal. O tesão tornou-se maior. As duas bocas continuaram coladas, as línguas em contacto agudo ou esmagado, sem que nenhum deles ousasse depositar nas faces ásperas o beijo que, então, teria sido sinal de ternura. Os olhos fitaram-se com ligeira ironia. A língia do polícia era muito dura." (Jean Genet, Querelle)

domingo, 19 de julho de 2009

Current mood:

Frio

"Levantei-me a tremer. Friccionei-me. Dentro de mim permanecia uma sensação de frio. A única coisa que permanecia era essa sensação de frio." (Y. Mishima, O Templo Dourado)

Bom Domingo:


Era tarde...

... e quase, quase, não ouvi o som de Matthew Dear, no Lux. Mas dancei, dancei o que podia e o que este corpo ingrato permitiu. Acordei tarde. Vi uns amigos de uma memória perdida. Disfarcei e dancei. Deitei-me tarde. Tentei acordar cedo. Praia e a ausência de vento. Derreti, derreti-me na lembrança de um corpo, de um jovem corpo que não penetrei. Ouço a Radar, o programa do Pedro Paixão. Quero ser como ele. Pragmaticamente poético. Quero ter epifanias com pêlos púbicos e com a cera dos ouvidos amados. Uma leve dor no braço lembra-me o sofrimento de há uns dias. Vai e vem. Arrisquei ginásio e pesos para os bíceps. Tenho medo amanhã. Não me apetece ir ao cinema mas devia ir. Tenho um cartão que me obriga. Vou cancelar as minhas obrigações. Estar de férias nas férias com férias. É um estado. Ouço Slave to Love e corro, corro, corro, e queimo 200 calorias, com uma batida média de 150 pulsações,por minuto. Bate forte e veloz. Acabo de ler o Querelle (Amar e Matar), do Genet. Recomeço o Mishima, O Templo Dourado. "O pensamento de que a beleza pudesse existir algures sem eu dela estar ciente causava-me um sentimento de mau estar e de irritação inultrapassável; pois se ela existisse realmente neste mundo, era eu quem, pelo facto da sua existência, estaria excluído desse mesmo mundo" (Yukio Mishima, Templo Dourado). Num teatro de Lisboa, a Europa e a Índia. Numa mensagem aka sms, um amigo diz-me, directamente da Índia, dois dias depois: "Estás mesmo giro. Bjs da Índia. V."

"De um a dez, quantos é que me dás?, pergunto a uma expectativa. Responde-me: "Dou-te 6, se não usares merdas ao pescoço".

sábado, 18 de julho de 2009

Para a semana...


... vou colar-me em frente ao computador!
(com intervalos de 2 horas, todos os dias, para uma breve mas essencial ida às Avencas)

O que eu gosto?

Gosto do novo espectáculo dos Teatro Praga, DEMO, em cartaz no Teatro S. Luiz, até dia 2 de Agosto. Oportunamente, e assim que passar o efeito do escaldão que apanhei hoje, voltarei para mais considerações.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Amanhã...

... mija-se!

Rebelde

"Actualmente, o artista não é nem um rebelde nem um entertainer. Ser rebelde exige mais esforços exteriores à obra do que aqueles que o artista quer fazer. Os entertainers, por seu turno, formaram já sindicatos nas muitas categorias de diversão pública, de que o artista se encontra agora totalmente excluído. Só o dramaturgo funciona ainda como artista e como entertainer. Mais solitário do que nunca, o atista, hoje, é como o Dédalo, o estranho inventor de belas e assustadoras surpresas para o seu círculo imediato." (George Kubler, A forma do tempo)

terça-feira, 14 de julho de 2009

Dash Snow...


... morreu, de uma overdose de heroína, segundo a NY MAG.

Julho parece Inverno...

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Bom dia:


Encontros aka Dates

"Amar também é bom porque o amor é difícil. O amor de um ser humano por outro é talvez a experiência mais difícil para cada um de nós, o mais alto testemunho de nós próprios, a obra supema em face da qual todas as outras são apenas preparações. É por isso que os seres muito novos, novos em tudo, não sabem amar e preciam de aprender. Com todas as forças do seu ser, concentradas no coração que bate ansioso e solitário, aprendem a amar. Toda a aprendizagem é um tempo de clausura. Assim para o que ama, durante muito tempo e até ao largo da vida, o amor é apenas solidão, solidão cada vez mais intensa e mais profunda. O amor não consiste nisto de um ser se entregar, se unir a outro logo que se dá o encontro." (Rainer Maria Rilke, Cartas a Um Jovem Poeta)

domingo, 12 de julho de 2009

Passivo

"Existe uma passividade masculina (no ponto em que a virilidade se poderia caracterizar pela negligência, pela indiferença às homenagens, pela espera despendida do corpo, quer se lhe ofereça o prazer, quer dele se obtenha o prazer) que faz daquele que se deixa chupar um ser menos activo do que aquele que chupa, como, por sua vez, este se torna passivo quando é beijado." (Jean Genet, Querelle)

sexta-feira, 10 de julho de 2009

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Envelheço

"Uma só coisa é necessária: a solidão, a grande solidão interior. Caminhar em si próprio e, durante horas, não encontrar ninguém - é a isto que é preciso chegar." (Rainer Maria Rilke, Cartas a Um Jovem Poeta)
O tiro, às vezes, é pela culatra e, na solidão, aparece um intruso que nos afasta do caminho. "Elegia" é um filme lamechas, lambido e, por vezes, bastante pretencioso. Mas... saíram lágrimas e a vontade de telefonar a um velho amigo.
Envelheço e apaixono-me.

Férias:


Um amigo...

... compara-me com o Marlon Brando e diz-me:

"tu ao pé dele és o 1º sonho molhado dum puto de 14 anos"

terça-feira, 7 de julho de 2009

Bom dia:


Estou...

... de volta ao Continente. Antes, no aeroporto da Madeira, depois de aterrar, com um livro de Genet na mão, revistam-me. Perguntam-me o que lá vou fazer e alertam-me: "Há coisas de Lisboa que não nos interessam".

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Cortei...

... o cabelo.

Vazio

"Actualidade é o momento em que o farol fica escuro entre os clarões: é o instante entre os tique-taques do relógio: é um intervalo vazio eternamente transcorrendo ao longo do tempo: a ruptura entre passado e futuro: a brecha nos pólos do campo magnético girando em círculo, initesimamente pequena mas no fim de contas real. É a pausa intercrónica quando nada acontece. É o vazio entre os acontecimentos." (George Kubler, A forma do tempo)

Vivo numa constante actualidade.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Nas bancas:

Julho/Agosto porque merecemos umas férias e queremos regressar com novas ideias e leituras e experiências.
Um diário de uma viagem a Veneza e textos sobre exposições, novos talentos e um projecto realizado por Hugo Canoilas.
Have fun!

To walk:







Actualidade

"A actualidade é o centro da tempestade: é um diamante com uma perfuração infinitesimal, através da qual os lingotes e as barras das possibilidades presentes são canalizados para os acontecimentos passados." (George Kubler, A Forma do Tempo)