quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Pela manhã...

... abro o livro que teima em não acabar (895 páginas) e leio a citação de uma frase de Stendhal: "Não vejo senão a condenação à morte que distingue um homem. É a única coisa que não se compra".

Na livraria Trama, compro mais dois livros: História da Linguagem, de Julia Kristeva, e O Estrangeiro, de Albert Camus.

No café, onde prometi jogar no Euromilhões até ao final deste ano (nunca joguei), compro um Côte d'Or, chocolate de leite. Subo a rua, entro no prédio de todos os dias, bebo um copo com água fresca, sento-me e ligo o computador. Escrevo.

1 comentário:

corpo visível disse...

.
'o estrangeiro' é 'o' livro. tenho amigos que mudaram de vida depois de o ler.
.