segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Estilhaços febris

"Errei por muito tempo nos bosques frondosos da febre, com o meu corpo assombrado por velhas obsessões: com os arrepios e as cãibras, uma espécie de furor erótico atravessava o meu corpo paralisado, um ardor espicaçava-me o ânus, entesava-me dolorosamente, mas não podia fazer o mínimo gesto para me aliviar, era como se me masturbasse com a mão cheia de vidro estilhaçado, deixei-me levar por isso como por tudo o resto." (Jonathan Littell, As Benevolentes)

Sem comentários: