quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Voltei...

... da terra das laranjeiras, Andaluzia (Córdoba, Granada e Sevilha), com umas galochas temáticas, ideais para espalharem a beleza da fruta mais importante da época, pelas ruas de Lisboa... entretanto quase inundada!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Sujeito sujeita-se

"O indivíduo é interpelado como um sujeito (livre) para que se submeta ivremente às ordens do Sujeito, isto é, para que aceite (livremente) a sua sujeição" (Althusser)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Surpresa...

"Um ser embriagado de vida não prevê a morte; ela não existe; ele nega-a em cada um dos seus gestos. Se a recebe é provavelmente sem saber; ela não é para ele mais que um choque ou um espanto." (Marguerite Yourcenar, Memórias de Adriano)

domingo, 20 de dezembro de 2009

Fim-de-semana...

... escaldante!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Este blogue...

... está uma seca!
precisa de pilinhas

Current mood:

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

A minha praça preferida:


Conhecer-me

"No seu aspecto mais profundo, o meu conhecimento de mim próprio é obscuro. No seu aspecto mais impessoal, tão gelado como as teorias que eu posso elaborar acerca de números: emprego o que tenho de inteligência para ver de longe e de mais alto a minha vida, que se torna então a vida de um outro. Mas estes dois processos de conhecimento são difíceis e requerem, um, uma penetração no nosso íntimo, outro, uma saída de nós mesmos. Por inércia, tendo, como toda a gente, a substituí-los por meios de pura rotina, por uma ideia da minha vida parcialmente modificada segundo o conceito que o público forma dela, por juízos feitos, quer dizer, mal feitos, como um molde antecipadamente preparado a que um alfaiate desajeitado adapta laboriosamente um tecido que é nosso. Equipamento de valor desigual; utensílios mais ou menos embotados; mas não tenho outros: é com eles que eu construo, melhor ou pior, uma ideia do meu destino de homem." (Marguerite Yourcenar, Memórias de Adriano)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Contemplar e desejar

"... algumas formas poderosas do género humano (...) arrastam consigo um conjunto de ávidos desejos, anelos e esperanças; de modo algum apropriados, devo confessar, à contemplação racional e refinada da beleza. As proporções desta arquitectura viva (corpos humanos), maravilhosas como são, nada inspiram à natureza estudiosa e contemplativa." (Shaftesbury)

Novidade


Hot Chip - One Life Stand (MySpace Exclusive)

Hot Chip | Vídeos de Música do MySpace

domingo, 13 de dezembro de 2009

Sem face


Fim-de-semana

Ler, comer, falar, discutir a justiça, a arte, as relações e as ausências da justiça, da arte e das relações. Dançar no Lux. Deitar tarde, adormecer cansado, acordar mais ou menos cedo e cansado. Comer, falar e discutir. Dançar no Frágil. Ver pessoas que nos ignoram. Estamos verdes e precisamos de fotossíntese. Mais dois meses. Deitar tarde e acordar muito tarde. Ginásio e os corpos que passam. Olho muito. Vou para casa. Vou cagar.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Quero ir ali...

... e talvez já nem venha!

Atómico

"Na sua modéstia, os ateus estão cheios de soberba: durante o curto espaço da sua vida estão convencidos de que administram uma ilha de autonomia que depois se dissipa em átomos obscuros." (Roberto Calasso, As Núpcias de Cadmo e Harmonia)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Pathos

"O pathos constitui o verdadeiro centro, o verdadeiro domínio da arte; é sobretudo por ele que a obra de arte actua sobre o espectador porque faz vibrar e ressoar uma corda que todo o homem tem na sua alma. Toda a gente conhece e reconhece tudo o que há de precioso e racional no conteúdo de um verdadeiro pathos. O pathos comove e remove porque desempenha um poderoso papel na existência humana." (Hegel, Estética - O Belo Artístico ou o Ideal)

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Arte sem querer?


Museu Serralves, 2009

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Precarious:

Hal Foster publica parte do texto da conferência de Serralves na Artforum de Dezembro, em que reflecte sobre a arte da primeira década do Século XX, "PRECARIOUS":

http://artforum.com/inprint/id=24264&pagenum=0

"I came to the term precarious via Thomas Hirschhorn, and many of his projects, such as Musée Précaire Albinet, staged in the Aubervilliers banlieue of Paris in 2004, are very much to the point here; his sometime collaborator the French poet Manuel Joseph has also used the term, in a short text on la précarité “as a political and aesthetic apparatus.” Yet what I want to underscore in the word is already present in the OED: “Precarious: from the Latin precarius, obtained by entreaty, depending on the favor of another, hence uncertain, precarious, from precem, prayer.” This implies that this state of insecurity is not natural but constructed—a political condition produced by a power on whose favor we depend and which we can only petition. To act out the precarious, then, is not only to evoke its perilous and privative effects but also to intimate how and why they are produced—and thus to implicate the authority that imposes this antisocial contract of “revocable tolerance” (as Joseph puts it). The note of entreaty is largely lost in the English word, yet it is strong in the installations I mentioned above.⁹ Sometimes it is mournful (as in Gober and Chan), sometimes desperate (as in Kessler, Wallinger, and Genzken), but in all instances this importunate quality implies that the entreaty carries the force of accusation as well—an attesting to the violence done to basic principles of human responsibility."

domingo, 6 de dezembro de 2009

Adolescência:


Perfeição?

A perfeição, seja de que espécie for, exige sempre uma qualquer ocultação. Sem algo que se oculta, ou que permanece oculto, não existe perfeição. Mas como podera o escritor ocultar a evidência da palavra e das suas figuras? Com a luz." (Roberto Calasso, As Núpcias de Cadmo e Harmonia)

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Capa da L+arte...

... está em exposição, no Museu Serralves
(Robert Rauschenberg, Speaking in Tongues, 1983)

Reprimir é mau:


Questão:

(Alfredo Jaar, Black Posters: Una Intervenció Pública,
exposição colecção do Museu Serralves)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Amanhã...


... nas bancas: edição de Dezembro da L+arte, última de 2009, última da primeira década do Século XXI.
Entrevista a Julian Bell, Historiador da Arte, e textos sobre as exposições de Jesper Just (CAM) e David Claerbout (Museu do Chiado).
Atenção: entrevista a Manuel Bairrão Oleiro, ex-director do IMC.

A ver:

No Porto, no Museu Nacional Soares dos Reis, as obras de João Pedro Vale.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Falta-me o ar...

... outra vez!
Vejo o filme do Michael Moore sobre as falências do Capitalismo, depois de um fim-de-semana prolongado, interrompido por uma segunda-feira operativa. O novo filme de Pedro Costa, Ne Change Rien, é um dos melhores do ano que acaba não tarda nada. Uma imensa vontade de fazer xixi leva-me a sair da sala de cinema por uns minutos. No regresso, ao filme, percebo que não perdi quase nada.