quarta-feira, 31 de março de 2010

Amanhã...

nas bancas!

terça-feira, 30 de março de 2010

Current mood:


Tempo

"Eu, o tempo, não sou a causa de que a natureza aumente
Eu, o tempo, não sou a causa da sua decadência
Eu, o tempo, não sou a causa da presença do homem
Eu, o tempo, não descubro as suas mentiras
Eu, o tempo, não sou a causa de que a morte faça o seu discurso
Eu, o tempo, não sou a causa de que a juventude e a velhice passem
Não sou eu, o tempo, que apazigua tudo?" (Stephen Hawes)

terça-feira, 23 de março de 2010

Amour:

"Amour, Fortune et Mort, aveugles et bandés, / Font danser les humains chacun par accordance" (Pierre Michault)

domingo, 21 de março de 2010

sexta-feira, 19 de março de 2010

Arte

ARTE = FAZER
FAZER ARTE = FAZER O FAZER

quinta-feira, 18 de março de 2010

Pequeno-Almoço:

Acordar tarde. Sair de casa. O cabelo molhado, olheiras e uma pele esverdeada. O sol não aparece com calor. Visto uma t-shirt e um lenço 100% poliester. Leio Beuys e como um pão de leite sem sabor. Imagino uma baguete quente com manteiga derretida.
A vida continua...

Na plateia...

... de uma sala de aula, anfiteatro, alunos de belas-artes sentam-se no chão. Parecem saídos de um filme dos anos 70, directsmente de uma praia da Califórnia. Esperam o Mestre. Lawrence Weiner. Querem um mundo melhor. Problematiza-se o conceito de melhor. Falam de arte e do fazer arte. Arte = Fazer. Fazer o fazer. Estratégias. Pressentem-se sinapses epifânicas. Não haverá um antes e um depois disto?
Uma inauguração, um jantar, um restaurante, um crítico de arte, um ídolo para uns e outros, um concerto caído do céu por uma pomba... :)

Uma noite. Uma noite morro. Ansiedade. Lexotan... I LOVE YOU!

segunda-feira, 15 de março de 2010

domingo, 14 de março de 2010

Quando for velho...

... vou mandar o mundo à MERDA!

O meu Tempo...


... é REAL!

Impasses

Um assalto à realidade. Uma conversa e um futuro sem futuro. Bolachas e croquetes, casados e solteiros. Adormeço tarde e acordo tarde. Não vou à praia e abdico de um futuro por umas horas de sono e conforto. Um impasse impossivel.

sábado, 13 de março de 2010

Hoje foi assim:

Arte pública:


Do quase lixo:


Tesão

Kerouac dá-me tesão. Nunca li nada dele. Gosto das expressões, dos gestos, do olhar e da grossura do seu pescoço. Vi fotografias. É um homem atormentado pela culpa cristã, dizem os seus amigos e críticos, num documentário. Teve uma noite de sexo escaldante (ou não terá sido escaldante?) com Gore Vidal. Li a primeira parte das memórias do Vidal. O Vidal não me da muita tesão. Gosto dos livros. O The City and the Pillar deu-me imensa tesão mas nunca me masturbei com literatura (a excepção é, talvez, Vénus Erótica, de Anaïs Nin, no início da minha adolescência, na altura do orgasmo seco). A minha tesão vem das imagens que vejo. A minha maior tesão imaginada foi provocada por um fresco de Giulio Romano, no Palazzo del Te, em Mântua, Itália. Fiquei envergonhado. Estava só e com frio. Escrevi um texto mas perdi. Acordei tarde. Tomei o pequeno-almoço e vesti uma camisola de pura lã virgem, da Paul & Shark, vintage, recuperada de um caixote de lixo. Não me fica muito bem. Tem umas riscas brancas sobre um fundo azul escuro. Tem um efeito balão. Mangas largas, afuniladas num punho justo. sentei-me em frente ao computador. As dores no braço e nas costas não me abandonam. Gravo o texto que tinha escrito. Acrescento e elimino muitas palavras. Tento escolher num título: "Audição plástica"? Estou indeciso. Penso na fractalidade, nas equações matemáticas, nas explicações do Miguel, às três da manhã. Sou resistente. Quero encaixar obras em conceitos. Não sou bom a brincar com legos. Não enho jeito. As peças não encaixam. Imponho a minha razão e forço o encaixe. Construções instáveis revelam a minha engenharia. Penso nas calças amarelas e nas inúmeras mensagens de um engate. Fico com tesão.

Tártaro

"That's how the Tartars found me days later. I remember voices saying 'Voda' (Water), then the felt of their tents, and the dense pungent smell of cheese, fat and milk. They covered my body in fat to help it regenerate warmth, and wrapped it in felt as an insulator to keep warmth in". (Joseph Beuys)

sexta-feira, 12 de março de 2010

Shoot the freak:

Na Culturgest... uma mistura cromática!
Fotografia de Miss Dove

Num filme:

"No contacto diário com exposições, obras de arte e artistas contemporâneos, o conhecimento transmitido pela licenciatura em História da Arte revela-se fundamental na elaboração de um horizonte de expectativas mais exigente e crítico.
Porque a História, vista no presente, é feita para o futuro."
(FCSH - UNL)

Current mood:

Adad Hannah, The Raft of the Medusa (100 Mile House) 6 , 2009

terça-feira, 9 de março de 2010

Resposta a um engate:

"Estou branco, nada bronzeado, com olheiras, cabelo por cortar há meses, pele desgraçada e baça, o corpo já não é o mesmo de há uns anos (já fui gordo, magro, gordo, musculado, magro, gordo, magro, musculado), tenho estrias, cenas descaídas, sinais de uma pequena barriga, tenho 1,73 de altura (baixinho), visto-me mal, tenho um humor tramado e tenho os piores defeitos que possas imaginar...

...adoro chupar Halls!"

domingo, 7 de março de 2010

Sunday morning...


Elegância

"Harmonizar o que é de mau gosto, eis o cúmulo da elegância." (Jean Genet, Diário de um Ladrão)

Aquisição:


sábado, 6 de março de 2010

Auto-retrato:


O que fica de ti:

"Do improviso, no momento de escrever talvez eu quisesse engrandecer os sentimentos, as atitudes ou os objectos a que prestava culto um rapaz magnífico diante de cuja beleza me inclinava, mas hoje, relendo-me, esqueci esses rapazes, deles apenas resta o atributo por mim cantado, e é ele que respandecerá nos meus livrs com um fulgor igual ao orgulho, ao heroísmo, à audácia." (Jean Genet, Diário de um Ladrão)

sexta-feira, 5 de março de 2010

Para o Tiago:

Depois do Inverno vem o Verão.

Actualmente:

"O olhar que se dirige para o futuro, todavia, vai sempre do presente para um passado que está preso como pré-história ao presente de cada um de nós como se fosse a corrente de um destino contínuo". (Jürgen Habermas, O Discurso Filosófico da Modernidade)

Descias e eu subia. Estás perto. Não quero saber. És presente esquecido no passado. Não és futuro. Rebocaram-te. Não quero saber.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Compras do mês:


Chocolate...



... calculista!
Um presente de Paris...

Cultura Ocidental

"Adjudicaram-se
fazendas, chicotes, escravos,
catecismos, comissariados,
postes, pátios, bordéis,
e a tudo isto dominaram,
santa cultura ocidental."

(Pablo Neruda)

Amanhã...

... nas Bancas!
Grande destaque para a exposição dedicada às naturezas-mortas, no Museu Gulbenkian.

Sou um bloguer...

... SENTIMENTAL!

Ficar para quem?

"Sim, sim, estou vendo: uma enorme actividade social, uma poderosa civilização, muita ciência, muita arte, muita indústria, muita moral, e, depois, quando tivermos enchido o mundo de maravilhas industriais, de grandes fábricas, estradas, museus, bibliotecas, caieremos esgotados ao pé de tudo isso, que ficará, para quem? Fez-se o homem para a ciência ou a ciência para o homem?" (Miguel de Unamuno, Do Sentimento Trágico da Vida)

segunda-feira, 1 de março de 2010

Current mood:


Revelações

Quando cresceres vais ser GAY!

O meu quarto...

... em Paris!

Saber:

"E quanto mais investiga, mais Édipo, o resplandescente herói, o valente vencedor, descobre o que será a sua ruína, quanto mais sabe, menos poder terá, quanto mais revela o escondido, mais perto está da morte, da renúncia, as duas mãos da História voltam-se, duas faces, vitória e queda. Pois, diz Terésias, 'Tremendo é saber'." (Jorge Silva Melo, in Rei Édipo a partir de Sófocles)

Big Pool:

Miséria

"Vós, que me desprezais, sois feitos apenas de uma série de misérias semelhantes, mas nunca tereis a consciência disso, nem o subsequente orgulho, isto é, o conhecimento de uma força que vos permite enfrentar a miséria - não a vossa, mas aquela de que se compõe a humanidade." (Jean Genet, Diário de um Ladrão)