segunda-feira, 31 de maio de 2010

Current mood:

Ser presente:

"Love is a dimension like time, not some small thing that has to be made more intersting by elaborate preamble. The basic dream - of both love and music - is of a continuity, something that will live forever. The simplest practical attempt at realising this dream is the family. In music we try to eliminate time spychologically to work in time in such a way that it loses its hold on us, relaxes its pressure. Quoting Wittgenstein again: 'If by eternity is understood not endless temporal duration but timelessness, then he lives eternelly who lives in the present'." (Cornelius Cardew, "Towards ans Ethic of Improvisation", in Treatise Handbook)

Não gosto de despir as calças sem dar um beijo. Não gosto de chegar à meta final sem ter percebido o início. Adoro música. Vivo o meu tempo. Sou presente.

domingo, 30 de maio de 2010

Current mood:

(Exposição Cornelius Cardew, na Culturgest Porto)

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Current mood:


O homem...

... que não conseguia esquecer. Podia ser o título de um livro de José Saramago. É o leit-motif de uma das peças da exposição "Para o cego no quarto escuro à procura do gato preto que não está lá", famosa citação Darwiniana. Saí de casa, cedo. Apanhei um autocarro, coisa inédita. Directo da Rua de S. Bento até ao Campo Pequeno. Atrás de mim, duas empregadas de limpeza falavam sobre detergentes, esfregonas, papel higiénico e sobre as colegas de trabalho. Um chocolate e uma meia de leite. Agarro num livro:

"-Tanro no trabalho como nos jogos, as nossas forças e os nossos gostos, aos sessenta anos, são o que eram aos dezassete. Os velhos, nos maus dias antigos, renunciavam, escondiam-se, entregavam-se à religião, passavam o seu tempo a ler e a pensar, a pensar!

(...)

- Presentemente, e eis o progresso, os velhos trabalham, os velhos copulam, os velhos não têm um instante, um momento para fugir ao prazer, para se sentarem e pensar, ou se alguma vez, por um desastroso acaso, uma tal falha no tempo se escancarasse na substância sólida das suas distracções, há sempre o soma, o delicioso soma, meio grama para uma folga de meio dia, um grama para um fim-de-semana, dois gramas para uma viagem ao sumptuoso Oriente, três para uma sombria eternidade na Lua. E, ao voltarem, encontram-se no outro lado da falha, em segurança sobre o solo firme das distracções e do trabalho quotidiano, indo de cinema perceptível em cinema perceptível, de mulher pnemática em mulher pneumática, de campo de golf electromangético em..." (Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo)

Os velhos, sempre os velhos. Os novos são velhos. Os velhos já não querem ser novos. Novos projectos para velhos hábitos. Novas ideias copiadas de de velhas histórias.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Jovem crítico:

"Everyone can watch a programme or play, or read a book, or eat a meal. Everyone can have an opinion. What you try to do in a review is add value to that basic combination – either through being steeped in knowledge of your subject; or by putting it beautifully; or by couching it in humorous terms. If you're a genius, you can do all three. Most of us just shoot for one and hope for the best."


www.guardian.co.uk/young-arts-critic-competition/young-critics-competition-2010

terça-feira, 25 de maio de 2010

Arrojado:

“Lançar uma revista de arte num meio acanhado como o nosso, onde quasi todas as tentativas literárias e artísticas falham por falta de auxílio do público, é, já por si, digno de admiração, pelo que tem de arrojado”
(Entrevista a Fernando Pessoa, a propósito do lançamento da revista Athena, 1924)

Acção do dia:

ELIMINAR
APAGAR
ESQUECER
LIMPAR
EXCLUIR
EXPULSAR
DESAPARECER

Marlon Brando

Noite de fecho. Cansado. Uma pizza e muita água. A cena fermenta e sinto-me mal. Cigarros alheios. Conversas sobre aristocracia decadente. Fase oral de uns e de outros. "Já não há destes" - diz-me um amigo. Leio, leio, revejo as gralhas de uns e de outros. "The end is near" - alertam-me. Novos projectos? The Denuclear Program Space? Entre Grades? Intifada Gay?
Verão que agora é Outono. Chove torrencialmente. O cabelo está oleoso. Espero por um táxi ao pé do Ritz. Noite longa. "Blow me" darling...

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Festa:

(Fotografia: Dexter)

Current mood:


A pensar:

DENUCLEAR PROGRAM
uma ideia para o futuro

Dança...


... até poderes!
A tua vida está em jogo.
Dança!

O que faz falta?

Quem são os "Maltas" do actual Regime?

Forever

You may think that I'm talking foolish
You've heard that I'm wild and I'm free
You may wonder how I can promise you now
This love that I feel for you always will be
You're not just time that I'm killing
I'm no longer one of those guys
As sure as I live this love that I give
Is gonna be yours until the day that I die - oh baby

I'm gonna love you forever, forever and ever amen
As long as old men sit and talk about the weather
As long as old women sit and talk about old men
If you wonder how long I'll be faithfull
I'll be happy to tell you again
I'm gonna love you forever and ever, forever and ever amen

They say time takes it's toll on a body
Makes the young girl's brown hair turn grey
But honey, I don't care, I aint in love with your hair
And if it all fell out well I'd love you anyway
They say time can play tricks on a memory
Make people forget things they knew
But it's easy to see it's happening to me
I've already forgotten every woman but you - oh baby

Just listen to how this song ends
I'm gonna love you forever and ever forever and ever amen
I'm gonna love you forever and ever forever and ever
Forever & ever forever & ever amen
(The Drums, Forever & Ever)

Solteiro para sempre?

domingo, 23 de maio de 2010

Fim-de-semana:

Praia, festa, praia, ginásio, leituras artísticas e espirituais, cinema, amigos, maçãs, muesli, sms e tranquilidade, apesar da tempestade profissional.
"O artista é a mão que, ao tocar nesta ou naquela tecla, obtém da alma a vibração justa" (Wassily Kandinsdky, Do Espiritual na Arte)
Tocaram-me...

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Current mood:

(Imagem: Fiona Tan, Rise and Fall (still de vídeo))

www.fionatanvenice.nl

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Borboletas no estômago


Current mood:

"A arte não é a manifestação mais preciosa da vida.
A arte não tem o valor celestial e universal que as pessoas gostam de lhe atribuir.
A vida é manifestamente muito mais interessante..." (Tristan Tzara, in Lecture on Dada, 1922)

I'll get a life as soon as possible!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Ser bom


"Não amamos o que é nosso só pelo facto de ser nosso, a menos que tenhamos por bem o que nos pertence, e por mau o que é alheio. Os homens não amam senão o que lhes parece bom!" (Platão, O Banquente)

O bom. O belo. O bem. O bastardo. Não amo. Nunca amei. Amei muitas vezes. Perdi peso. Ganhei peso. Engordei e emagreci. Apanhei sol. Queimei-me. Envelheci. Rejuvenesço, sempre. Morrer novo é viver para sempre. 1976 no meu peito. Ramones. Disco. Alberto Moravia. Aldo Moro. Irlandeses revoltados. Irão. O vídeo matou as estrelas da rádio. Pornografia com bigodes e pelugem no peito. Amo o que vejo sem amar. O bom é mau mas sabe bem. Venho-me! Muesli e kiwis. Lavo os dentes. Olho-me nos olhos. Bem bom! 2 da manhã. Adormeço.
(Imagem: Brian Kenny)

Depois de ontem à noite:



What a lovely party @ Gulbenkian...

terça-feira, 18 de maio de 2010

Futuro?

Ansiosamente à espera do futuro anunciado, leio textos sobre a transcendência da realidade. A materialidade torna-se insignificante. Sobrevivo como posso, com os olhos fixos numa fisicalidade ideal, entregue ao acto de contemplação mal nutrida pela escassez alimentar. Hidrato-me com sol.
(Imagem do filme LA Zombie, de Bruce la Bruce)

A ver:

Vasco Araújo, no âmbito da exposição "Mais que a Vida", na Fundação Calouste Gulbenkian (inaugura dia 27 Maio)
Mulheres d’Apolo, 2010, vídeo

Esquecimento

"O esquecimento é a fuga do conhecimento e a reflexão, suscitando uma recordação que substitui o que se esquece, mantém o conhecimento, de maneira que este parece sempre o mesmo." (Platão, O Banquete)

... encruzilhada!

Current mood:

ISTO PODE FALIR?
Miséria...

segunda-feira, 17 de maio de 2010

I'm Alice...

... in Centro de Arte Moderna - Fundação Calouste Gulbenkian!
I am not myself!

Hoje:

DIA MUNDIAL CONTRA A HOMOFOBIA!

domingo, 16 de maio de 2010

Current mood:

Sábado a trabalhar. Um intervalo e um pulo à praia. Domingo a descansar. Cinema depois de várias horas ao sol. Como desenhar um círculo perfeito? Contemplando corpos belos até chegar à beleza da beleza. O processo, descubro aos poucos, é solitário, cada vez mais.

sábado, 15 de maio de 2010

Estômago...

... é um filme que alterna entre o desejo de comer e o nojo social brasileiro.
Coxinhas de galinha com esparquete "puta vesga".
Depois do filme LX Factory, um "Colombo" alternativo. Alienante!
Muesli com kiwis. Água, muita água. Cama.
Preparo entrevista que poderei não fazer. Leio Kafka e Deleuze. Continuo (pausadamente, para não acabar) no Banquete.

Vai mais longe

"Go always farther in the direction of derritorialization, to the point of sobriety. Since the language is arid, make it vibrate with new intensity. Oppose a purely intensive usage of language to all symbolic or even significant or simply signifying usages of it. Arrive at a perfect and unformed expression, a materially intense expression." (Deleuze / Guattari)

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Amanhã:

"How much my life has changed, and yet how unchanged it has remained at bottom!" (F. Kafka, Investigations of a Dog)

Já fui um BCBG (Bon Chic, Bon Genre). No século XXI, sou um GBGB (Good Boys Gonne Bad)!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Quando crescer...

... quero ser assim!

Acordo...



... todos os dias com esta música.
É o som do meu despertador.

Andrógino

"A princípio, havia três espécies de seres humanos, e não duas, como agora: o masculino e o feminino e, além destes, um terceiro, composto pelos outros dois, que veio a extinguir-se. Apenas nos resta a sua designação, pois a espécie desapareceu. Era a espécie Andrógina". (Platão, O Banquete)

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Final da tarde:


Aquário... um filme a não perder.
A Lolita contemporânea é deprimente.
O filme é belo. Imagens que são palavras.

A não perder:

Inauguração: 27 Maio, 18h30
Fundação Calouste Gulbenkian (edifício sede)

Na rua


L'amour...

... é FODIDO!
FODER - FODER - FODER - FODER
até morrer
morreu de amor
morte fodida
FODA-SE!

I'm a child

Don't tell me
It's another likely story
Could've pinned it on you from the start
Well I’m new here
Doesn't mean I have to answer
Silly questions or a shot in the dark

You know I’m a child
I keep this alive


It gets harder
I remember to remember
Waking up again all over again
If there's an echo
Repeat days I’d likely let go
And be the changes we are noticing

When we're running wild
We keep this alive

Still i wonder
Sights around us fade and underneath
The ground shakes, things fall apart
And no other than the voice of one another
Keeps us safely moving on in the dark


You know I’m a child
I keep this alive
(Au revoir Simone... Another likely story)

Current mood:




You know I’m a child
I keep this alive


You know I’m a child
I keep this alive

Entrega

"Chamo mau ao amante vulgar, que mais ama o corpo do que o espírito, porque este amor não é durável, uma vez que se prende a uma coisa sem perenidade e, quando a flor da beleza, que amou, envelhece, o amante evola-se e desaparece, traindo as suas promessas, enquanto que o amante de uma bela alma se mantém fiel toda a vida, porque se uniu a uma coisa perene. (...)

(...) considera-se falta condenável a entrega imediata. Pretende-se, porque a capitulação imediata é tida como uma desgraça, que se dê tempo ao tempo, porque a prova do tempo é geralmente iniludível." (Platão, O Banquete)

Há livros que aparecem e explicam o presente. Na arte o presente é eterno.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Estás...

... em todo o lado!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Uni-vos irmãos

"Que entendo eu por amor? - Às acções desonestas liga-se a desonra, às boas acções liga-se o amor. Sem isto, nem a cidade, nem o indivíduo, podem fazer algo de grande ou de belo"

"Assim, se houvesse a possibilidade de formar uma cidade, ou um exército, composto somente por amantes e amados, obteríamos a constituição política ideal, pois teria por base o horror do vício e a emulação do bem e, se combatessem juntos, tais homens, apesar do seu reduzido número, poderiam vencer quase o mundo inteiro"

(Platão, O Banquete)

Caminha...

... não corras!
This is my condition!
(detalhe de obra de Ryan McGinley)

Art and Language

Um ramo de tomilho enfiou-se no espaço entre dois dentes molares. Percebi, finalmente, o que quer dizer "poliamoroso". Assim, qualquer coisa entre ser perdigueiro, com excelentes instintos para caça, e ter, ao mesmo tempo, um grande coração. Um coração com muito faro? Les uns et les autres. As palavras não aparecem. Mais um texto para Junho. Materializo o desejo e desmaterializo o objecto. Reconverto a capacidade significante dos papéis definidos pelo instável equilíbrio das fórmulas químicas, decorrentes da dialéctica qualitativa que nos define. Como uma canja de galinha fortalecida com ovos escalfados. Está frio. Neva nos pontos mais altos da Serra da Estrela. O bronze da primavera desaparece. Desapareço com ele.

Compraram-nos as dívidas. Não estamos perdidos. Somos gloriosos e seremos abençoados. O zeitgeist é de poltergeist. Afundo-me nas massinhas da sopa. Ansioso. Como chocolates. Emagreci 3 quilos. Muesli. Abandonei os lanches calóricos. Leio clássicos elogios a Eros. A vida é um Banquete. Valha-nos a caça!

... and it was never about love...

Portugal:

Inebriated Nation, Mitch Griffiths
(este é para ti... P.)

Questão

"What kind of society argues for arts funding on the basis of its economic benefits?"

(Art Review, J. J. Charlesworth)

Current mood:

domingo, 9 de maio de 2010

sábado, 8 de maio de 2010

Na cama...


... com o melhor amigo. Um filme às duas da tarde. Não chega onde deveria ter chegado mas tem bons diálogos, bons confrontos, boas perspectivas e um miserável beijo na boca. Mesmo não querendo, o resultado poderia ter sido bem melhor. Uma sopa de tomate com queijo de cabra. Um telefonema e um alerta: daqui a uma hora temos um baptizado!!!! Esqueceste-te? Nãooooo... ah e uma festa de aniversário num apartamento nas avenidas novas... oh F.U.C.K.! Trocaria tudo por uma tarde na cama, com o meu melhor amigo!

sexta-feira, 7 de maio de 2010

A ler:


Amante e amado

"Se, efectivamente, os deuses honram altamente a virtude inspirada pelo amor, também admiram, amam e recompensam ainda mais a devoção do amado pelo amante. O amante está mais próximo dos deuses que o amado uma vez que se encontra possesso de um deus." (Platão, O Banquete (O Simpósio ou do Amor))

Amo, não amo. Sou amante, sou amado. Não sou nada. Visito os deuses mas nunca entro na sala-de-estar. Fico-me pelo hall, pelo hole. Um buraco negro. As energias puxam-me para uma nivelação dos afectos ponderados pela medida da mediocridade, de todos os dias. A banalidade é virtuosa. Eros é fulminante. O veneno da sua vontade é, porém, discreto e desmaiado pelos contrastes demarcados pela incomunicabilidade do corpo. Reage sem se abrir. Manifesta-se sem revelar. Epifania silenciosa que, aos poucos, alastra a sua verdade. A permeabilidade das almas. As descompensações da memória. A tua memória, a minha memória...

Fim-de-Semana

HEAVY RAIN SHOWER

Futuro?


No cume

“A vida espiritual pode ser representada, em esquema, por um grande triângulo dividido em secções desiguais, com a menor e mais aguda no seu cume. Quanto mais próximo se está da sua base, maiores, mais volumosas e mais altas são as suas partes.” (Wassily Kandinsky, Do Espiritual na Arte)

Há 1 ano:

Sophie Calle, em Nova Iorque.

Current mood:

NÃO DESISTAS DE MIM!
NÃO DESISTAS DE TI!
NÃO DESISTAS!
NÃO!
Mas vais desistir...

Espuma dos dias

Jorge Barbi, Espumas, 2007, fotografia, 87 x 125 cm

No Centro de Arte Moderna - Gulbenkian: Jorge Barbi, comissariada por Juan de Nieves.

A não perder!

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Estrutura

"(...) os pormenores, como se sabe, conduzem à virtude e à felicidade, e as generalidades são, sob o ponto de vista intelectual, males inevitáveis. Não são os filósofos, mas sim aqueles que se entregam às construções de madeira e às colecções de selos, que constituem a estrutura da sociedade". (Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo)

DEMO party!


O REI...

... ESTÁ A MORRER!

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Utopias

"Les utopies apparaissent comme bien plus réalisables qu'on ne le croyait autrefois. Et nous rouvons actuellement devant une question bien autrement angoissante: 'Comment éviter leur réalisation, définitive?...' Les utopies sont réalisables. La vie marche les utopies. Et peut-être un siècle nouveau commence-t-il, un siècle nouveau commece-t-il, un siècle où les intellectuels et la classe cultivée rêveront aux moyens d'éviter les utopies et de retourner à une société non utopique, moins 'parfaite' et plus libre." (Nicolas Berdiaeff, in Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo)

This is my condition

terça-feira, 4 de maio de 2010

Current mood:

Feromonas Assassinas

"Os feromônios ou feromonas são substâncias químicas que, captadas por animais de uma mesma espécie (intra-específica), permitem o reconhecimento mútuo e sexual dos indivíduos. Os feromônios excretados são capazes de suscitar reações específicas de tipo fisiológico e/ou comportamental em outros membros que estejam num determinado raio do espaço físico ocupado pelo excretor. Existem vários tipos de feromônio, como os feromônios sexuais, de agregação, de alarme, entre outros.

A palavra feromônio foi cunhada pelos cientistas Peter Karlson e Adolf Butenandt por volta de 1959 a partir do grego antigo ϕέρω (féro) "transportar" e ὁρμῶν (órmon), particípio presente de ὁρμάω (órmao) "excitar". Portanto, o termo já indica que se trata de substâncias que provocam excitação ou estímulo.

Na produção animal os feromônios se tornam importantes pois podem auxiliar no manejo reprodutivo de determinados rebanhos. Como por exemplo no rebanho ovino, onde se pode, através da exposição de machos a fêmeas previamente separadas, sincronizar o cio dessas matrizes para que todas entrem em reprodução no mesmo momento. Isso só é possível porque feromônios masculinos detectados pelo olfato das fêmeas provocam alterações fisiológicas no ciclo reprodutivo das mesmas."

in http://pt.wikipedia.org/wiki/Ferom%C3%B4nio

Respira fundo...

... e atira-te com força. O primeiro esboço já está delineado. A abordagem não é inovadora mas segura. As palavras puxam palavras e as ideias atropelam-se em memórias das experiências que tive. Quero uma faca. Corto os dedos. Aplico um creme regenerador. Crescem outra vez. As unhas têm alicerces profundos, raízes nas entranhas do corpo fodido pela razão assustada pelo abismo. Arranho as palavras. Não bebo leite. O Homem não precisa de leite em idade adulta. Como kiwis e odeio. Muesli misturado no iogurte simples, sem corantes nem conservantes. Um chocolate de leite. Bebo água e mijo muito. Passo o dia a mijar. Tenho dores no braço direito. Escrevo muito sem escrever. No forno, um peixe a assar, temperado com ervas da provença, alho, muito alho, coentro em pó, azeite, vinho branco e duas coves de bruxelas.

Filme da infância:

Tornar-se texto

“Nesse 'tornar-se texto' do quadro, compreendemos que o quadro (...) não representa um real, mas um 'simulacro-entre-o-mundo-e-a-linguagem', no qual se baseia toda uma constelação de textos que se recortam e se associam numa leitura do dito quadro, leitura que nunca está terminada. Aquilo que se julgou ser uma simples representação revela-se uma destruição da estrutura representada no jogo infinito das correlações da linguagem.” (Julia Kristeva, História da Linguagem)

segunda-feira, 3 de maio de 2010

My desk...

... @ home sweet home!

Current mood:

FEELINGS!

Na minha parede...

... uma obra de João Pedro Vale confronta, todos os dias, a ignorância das minhas certezas.

A minha cama...


... é uma cama Ralph Lauren!

Esclarecimento:



This is not a love song!

Arte de amar

"Mas nas minhas exposições, vejo frequentemente duas pessoas andarem juntas de texto em texto, e muitas vezes nem se conhecem. São obrigadas a negociar o espaço entre elas e o texto. Gosto de pensar que houve romances entre estranhos que começaram assim." (João Penalva, em entrevista a João Fernandes)

Amanhã nas bancas:

Novo Grafismo + Novas Secções + Capa e Projecto por Gilberto Zorio
E, no próximo número, Junho, ainda em preparação, haverão outras novidades ainda não incluídas na edição de Maio que, amanhã, estará disponível nas bancas.

Adormeci...

... assim!

Escrever

CONCENTRAÇÃO
1
2
3
LER - VER - LER
ESCREVER
Não ceder a tentações emocionais!

domingo, 2 de maio de 2010

Jantares em Lisboa



... deviam ser assim!

Testículos

"A palavra testículos é uma redondeza na minha boca. Sei que a minha gravidade, quando imagino aquele local do corpo, se transforma na minha virtude principal. Como do seu chapéu o prestigitador extrai cem maravilhas, deles consigo obter todas as outras virtudes." (Jean Genet, Diário de um Ladrão)

Se isto fosse verdade...

Encruzilhada semiótica


Torno-me texto nas diferentes sms's que, espontaneamente, envio e recebo. Sou seco? Deparo-me com outros textos, hermenêuticas, expectactivas... Na praia, olho para as nuvens. O sol enconde-se. O mar está calmo. A areia vazia. Numa esplanada, com um livro, bebo chá de limão. O sol aparece. Desço para a praia. Deito-me e adormeço. Há zonas de significação recalcadas. As histórias confundem-se através da repetição de memórias, palavras, textos e ritmos estabelecidos pela dialéctica emocional. Sem tese ou antítese. Tal como Sophie Calle, sou um "stalker, stripper, sleeper, spy" e vivo as consequências decorrentes de... "no sex last night", numa espiral de interesse e desinteresse alheio. No cinema, ouço a multidão que, num foyer alimentar, vibra com um jogo de futebol. I love Philip Morris é o título de um filme surpreendente com diversos twists narrativos, que me afectam e frustam os nervos, acalmados por vários rebuçados de mentol. O vento é imenso. Chego a casa. Envio-te uma mensagem e não respondes. "Take care of yourself"!

Significar

"Pois hoje em dia, nada, ou quase nada, se faz sem fala, e é necessário saber apesar de tudo se essa coisa que fala quando eu falo e que me implica totalmente em cada som que enuncio, em cada palavra que escrevo, em cada signo que faço, se essa coisa é realmente eu, ou de um outro que existe em mim, ou ainda um não sei quê de exterior a mim mesmo que se exprime através a minha boca em virtude de qualquer processo ainda inexplicado." (Julia Kristeva, História da Linguagem)

sábado, 1 de maio de 2010

Duo dinâmico:

Não dormi...

... apanhei um táxi. Indisposto. Bebi água. Acordei várias vezes. A manhã escura, com nuvens, prolongou-se até tarde. Acordei. Não tinha mensagens. Escrevo bom dia e envio. Tomo o pequeno-almoço sem ler, sem quase ler. Ao pé do carro, encontro um amigo de há muitos anos. Falamos sobre livros, sobre arte, teoria da arte, sobre uns e outros. Sigo para a praia. O calor faz-me abrir os vidros. Ouço a Radar e sinto-me com saudades. Na areia, quase sem ninguém, adormeço alguns minutos. Preciso de escrever. Um jantar. Um telefonema prolongado. A ausência e a, quase, indiferença. Da mente cósmica prossigo para a alma cósmica, região da natureza e, por fim, invisto na espessura do reino da matéria, sem forma e sem vida. Encho sem ficar cheio, penetra sem ser penetrado, abrange sem ser abrangido. Inefável?