segunda-feira, 10 de maio de 2010

Art and Language

Um ramo de tomilho enfiou-se no espaço entre dois dentes molares. Percebi, finalmente, o que quer dizer "poliamoroso". Assim, qualquer coisa entre ser perdigueiro, com excelentes instintos para caça, e ter, ao mesmo tempo, um grande coração. Um coração com muito faro? Les uns et les autres. As palavras não aparecem. Mais um texto para Junho. Materializo o desejo e desmaterializo o objecto. Reconverto a capacidade significante dos papéis definidos pelo instável equilíbrio das fórmulas químicas, decorrentes da dialéctica qualitativa que nos define. Como uma canja de galinha fortalecida com ovos escalfados. Está frio. Neva nos pontos mais altos da Serra da Estrela. O bronze da primavera desaparece. Desapareço com ele.

Compraram-nos as dívidas. Não estamos perdidos. Somos gloriosos e seremos abençoados. O zeitgeist é de poltergeist. Afundo-me nas massinhas da sopa. Ansioso. Como chocolates. Emagreci 3 quilos. Muesli. Abandonei os lanches calóricos. Leio clássicos elogios a Eros. A vida é um Banquete. Valha-nos a caça!

... and it was never about love...

Sem comentários: