terça-feira, 31 de agosto de 2010

Dia 3 nas bancas:

entrevista: MARINA ABRAMOVIĆ + por convite: JORGE BARRETO XAVIER + exposições: ANA VIDIGAL, JORGE QUEIROZ… + novo talento: NUNO HENRIQUE + projecto: FERNANDA FRAGATEIRO + antiguidades + pequenos museus do mundo + carta aberta: AS RAZÕES DA REVOLTA DE LUÍS RAPOSO

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Apanhado...

Reset:

Dias silenciosos... campo, rio, arte do passado, praia, almoços sozinhos, italiano, vozes e intenções dramatúrgicas, leques que se abanam nas mãos das avós... ténis antigos, o corpo nada, respira e adormece no sofá. Não acorda... chocolate negro, água... o tempo passa sem passar... fotografias, frescos seiscentistas, queijo fresco, azeite e tomate, sementes de girassol, vacas que pastam... a fronteira e a raia... a cidade não me cabe, por enquanto. Não quero estar aqui.

Vinha


Era o tempo

"Naquele tempo as coisas aconteciam assim. Eram complicadas, enredadas e violentas. Vivíamos dia por dia. Era difícil estabelecer com rigor com quem e contra quem se estava em determinado momento. E os acontecimentos mais arbitrários e mais terríveis ocorriam com uma naturalidade feroz". (Manuel Mujica Lainez, Bomarzo)

sábado, 28 de agosto de 2010

Tempo para...

... ler...

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Current mood:

Estou no fim do mundo. O fim do mundo é um paraíso. O tempo não passa, passando rapidamente. O dia e a noite. As manhãs são longas. As tardes são quentes. As noites são frescas, porque em Agosto já bate o frio pelo rosto.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

domingo, 22 de agosto de 2010

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Eu?


Algas...

... coelho, sexo, amor, arte, história da arte, investigação, antológicas e retrospectivas, dietas, viagens, férias, Cuba e Egipto, roupas, armários, livros, adolescência, bebedeiras, linha de Cascais, praias, discotecas, concertos, trabalhos de grupo, noites...

Agosto é tão silly... ainda bem!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Querias...


Dançar

"Naquela altura, a vida social de Nova Iorque passava-se muito em discotecas, com personagens subterrâneas e todo um submundo, uma vida nocturna efervescente, tal como deve ter existido no princípio do século XX em Paris, com pessoas como a Kiki de Montparnasse. Era uma época em que as celebridades ficavam felizes por se misturarem com outras pessoas. Esqueciam a sua fama. À noite, nas discotecas, a Madonna ou o Mick Jagger estariam a dançar com pessoas da indústria da música ou do mundo da moda" (Marc Jacobs, in Andy Warhol TV)

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Dicas para artistas

John Baldessari, Tips for Artists Who Want to Sell, 1966-68,
acrílico sobre ela, 172,7 x 143,5 cm

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Reverberações

"Cada pintor retrata-se a si mesmo, porque cada pintor recolhe e sublinha no modelo o que se lhe assemelha e o que, chamado pela sua paixão, se activa e brota à superfície. Cada um de nós vê-se a si mesmo nos outros. Somos ecos, jogos de espelhos, reverberações mutáveis." (Manuel Mujica Lainez, Bomarzo)

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

A ver:

DEFENDER from procter on Vimeo.



The Blue Angel from procter on Vimeo.



Fire Angel from procter on Vimeo.

Never works

Abre los ojos
No hay banda
Vai à merda... vai tu!

domingo, 15 de agosto de 2010

Fim-de-semana

A maré vai baixa. O sol transpira-me e bronzeia-me, ainda mais. Ginásio e Bomarzo. Muesli, chocolate, saladas de cenoura com sementes de girassol, brigadeiros. Filmes sobre o amor, agentes secretos, famílias em ruptura, bailado...
Maçãs, água, muita água. Adormeço no sofá, até tarde.
Quem é o Tomé Feteira? Nos anos 60 foi considerado um dos 10 mais ricos do mundo.
De onde vem a nova super bactéria mutante e resistente? Já chegou a Lisboa?
Adormeço na praia e não penso em ti.

Regar a semente

"(...) e como é possível que os homens muito jovens, por força de uma influência que lhes abra inéditas perspectivas, se modifiquem rapidamente, adaptando-se a situações que ignoravam ou detestavam, e cujas sementes já existiam neles, prontas para germinar, mesmo que o não soubessem no mais secreto da sua maneira de ser." (Bomarzo, Manuel Mujica Lainez)

sábado, 14 de agosto de 2010

Mãe...

... recordações de uma casa.
"Your dreams are china in your hand"

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Everything

THINGS ARE GONNA CHANGE
BUT NOT FOR BETTER
CANNOT UNDERSTAND A WORD
THIS IS WHAT I WANT
THIS IS WHAT YOU WANT
THIS IS WHAT YOU GET INSTEAD

A ver:

Diana Policarpo, Air-guitar é para meninos , 2010

Sexta-Feira

É dia 13. Escrevo o roteiro. Elimino pessoas e ignoro outras. Vou ao cinema com amiga. Beijos e balas. "I work for blah, blah, blah... and I have a license to blah!" Leio Bomarzo e viajo por Itália. Não gosto dos textos que escrevi. Olho para os blogues. Vejo vídeos no youtube. Submeto-me a um testo para saber quantos filhos vou ter: dois! Vou ser um pai velho. Como um bolo de chocolate, um brigadeiro, e uma salada de rucola com muesli. Vejo "Querido mudei a casa".

Novo blogue

Eu?

"Não resmungue o leitor e tente compreender-me: eu era assim, frívolo, superficial - sem deixar de ser, por outro lado, profundo e complexo; ansiava por reconhecimentos que me fortalecessem na posição mundana que me cabia, embora contasse também com a imunidade congénita garantida no meu sangue e em direitos que supunha divinos. Era ao mesmo tempo muito seguro e muito inseguro. Aí tinha a origem o meu desiquilíbrio, como venho repetindo nestas memórias." (Manuel Mujica Lainez, Bomarzo)

I need this...

... as soon as possible!
Rio Côa, Concelho de Almeida, Distrito da Guarda, Beira Alta, Portugal.
(Fotografia retirada de um blogue, cujo endereço não apontei por lapso, mas que por feliz coincidência acertou no meu alvo familiar)

Current mood:

F&$&%/%(&(&
Who are you?
I'll unfriend you... não tarda nada!

Cool song

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Pedro:

"Les idées pétrifiées devant la merveilleuse indifférence
d’un monde passioné
d’un monde retrouvé
d’un monde indiscutable et inexpliqué
d’un monde sans savoir-vivre mais plein de joie de vivre
d’un monde sobre et ivre
d’un monde triste et gai
tendre et cruel
réel et surréel
terrifiant et marrant
nocturne et diurne
solite et insolite
beau comme tout
(Prévert, Paroles)

Current gaze:


Corpo nu

"O meu corpo não era dos que se desnudam, mas dos que se escondem. Não podia ser usado pelos outros como um instrumento de alegria. Se o era para mim, isso deve-se ao facto de que a natureza é sábia mesmo nas suas desordens, e a sua piedade não desampara por completo os seus filhos". (Bomarzo, Manuel Mujica Lainez)

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Memórias

Ouvia em loop, em casa dos meus pais e fingia que cantaca em inglês.
Era uma vergonha...

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mapa astral

‎"A sua morte acontecerá no estrangeiro ou durante uma viagem ao estrangeiro. De qualquer forma será numa idade já muito avançada. A sua morte será tranquila, sem sofrimentos."

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Preciso disto:

Praia e, ainda mais, exercício físico!
Fotografia de Alair Gomes

Validade

"O que se chama teoria, dentro da ciência moderna... nada mais tem a ver com aquela atitude de observar e saber, na qual os gregos acolhiam a ordem do mundo. A teoria moderna é um meio construtivo, através da qual se reúnem unitariamente experiências e torna-se possível o seu domínio. Como diz a linguagem, 'constroem-se' teorias. Sobre isto repousa o facto de que cada teoria desfaça a vigência da anterior e que cada uma somente pretenda, desde o princípio, uma validez condicionada, provisória, até que novas experiências proporcionem algo melhor." (Hans-Georg Gadamer, Wahrheit und Methode)

Ou seja, as in Fashion... one day you're in and the other you're out!

domingo, 8 de agosto de 2010

Hoje


Os olhos

"O meu grande prazer sensual sempre derivou - e ainda hoje persiste essa hierarquia - da felicidade dos olhos. Nem a ordem melódica mais requintada, nem o aroma mais extraordinário, nem o contacto da pele humana mais dourada e suave, nem o vinho, nem o beijo, me podem conceder o gozo com que os olhos me presenteiam. R também não, ao contrário do que acontece com certas mentes superiores, o jogo filosófico, com tudo o que implica de estímulo transcendente, supre para mim o que os olhos me oferecem. Nem sequer o jogo poético que tanto amo. Os olhos sãos as comportas pelas quais entra em mim o rio rumoroso e mutante do mundo." (Manuel Mujica Lainez, Bomarzo)

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Eleitos

"Existe uma forma de fidelidade ultraterrena de que só os eleitos se dão conta. Eu sentia-a. Eus gozei desse estranho privilégio" (Manuel Mujica Lainez, Bomarzo)

Current mood:

Belo

"O meu horror à fealdade e a minha paixão pela beleza, nos humanos, nos objectos, nos jogos de poesia, que me causau desenganos e amarguras mas conferiu à minha vida um tom exaltado e uma certa grandiosidade atormentada, provém do meu horror a mim mesmo e do consequente asco que qualquer aberração teratológica me causava" (Manuel Mujica Lainez, Bomarzo)

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Uns picam...

... outros não!

Insuficiência

"Agora sabia distinguir entre dia e noite; sempre soubera, apenas um sonho pesado se atravessara para confundir essas fronteiras, e ele envergonhava-se de ter passado por essas perturbações: mas a lembrança de que as coisas podem ser diferentes, de que existem outras fronteiras mais subtis, facilmente desfocáveis a envolver o ser humano, que há sonhos febris a rondar a alma, corroendo os muros e abrindo caminhos inquietantes - também esta lembrança ficara no mais fundo de si e irradiava sombras pálidas.
Não sabia explicar muitas dessas coisas. Mas a insuficiência das palavras era uma sensação deliciosa, como a certeza do ventre fecundado que já sente no sangue a leve palpitação do futuro." (Robert Musil, As perturbações do pupilo Törless)

Queres lume?



Bomarzo

Hoje, começo a ler Bomarzo, livro de Manuel Mujica Lainez, traduzido por Pedro Tamen.
"Bomarzo narra a vida e as aventuras do atroz e angélico duque de Orsini. Esta recuperação mágica e poética de um mundo de príncipes, cardeais, condottieri, bobos, artistas, cortesãos e escritores, em plena Itália do século XVI, é um romance histórico apaixonante, a crónica lúcida de uma civilização, uma obra ambiciosa e total. Um fresco imortal do Renascimento, ao nível de obras como Memórias de Adriano e O Leopardo." (texto contracapa)

Aberturas



Amo todos os meus filhos, mas de alguns gosto mais.
Menino sujo procura menino limpo.
O céu que nunca vi, na minha casa ou na tua?
A flor do meu manguito... as desgraças da vida são as alegrias da arte.
Beija-me idiota. A fidelidade é para os cães, sem qualquer pesar, guardar castidade.
Tornei-me feminista para não ser masoquista. Estava-se a passar tudo muito diferente de como tinha imaginado... eu sou tão óbvia na intimidade. Gatinhei até à cama e tapei a cabeça com o lençol. Sei muito bem para onde vou. Pourquoi faire simple, quando on peut faire compliqué?
Tempos sombrios traduzem naturalmente arte sombria? I trust you to kill me. Não te estiques... a minha desordem é o meu capricho.
Je n'ai absolument rien à voir avec Hollywood.
(Texto composto por títulos de obras de Ana Vidigal. Fotografias de Alair Gomes)


Current mood:

Manet, Young Lady, 1866

terça-feira, 3 de agosto de 2010

"Canino"

Podia ser uma versão grega do filme Virgens Suícidas mas é mais do que isso.
É quase gore. É hard core. É um soco na barriga.
Não dormi!

Morfologia

“A forma é uma noção de poder alquímico e de valor limiar entre o ser e o aparecer. A natureza, a totalidade das formas, é tematizada a partir do eclodir de epifanias locais, através da experiência do aparecimento e desaparecimento de formas, o que expressa simultaneamente a transitoriedade e a transitividade próprias das epifanias locais, do seu desenho no espaço, da sua alteração, e a narrativa que por elas se faz, a narrativa da génese. Aquele que quer conhecer uma forma deve procurar tornar compreensível e partilhável esta reconciliação, esta aprovação entre o que está de passagem e o que permanece”. (Maria Filomena Molder, "Introdução" in Goethe, A Metamorfose das Plantas)

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Current mood:

É Verão. Faz muito calor. Gosto de calor. Leio A Metamorfose das Plantas, de Goethe. Gostava de ser a "Urpflanze". Museli, sementes de sésamo, sementes de linhaça e sementes de girassol. Estou na linha da partida. Vou tomar banho.

Quero ver:

A ler:


Activo / Passivo

"Para Goethe, o par atrair/repelir era a polaridade originária, sendo o par activo/passivo a forma paradigmática de relação de todos os pares de opostos, incluindo a polaridade originária; paradigma de qualquer forma de dualidade que não se reduza a uma operação dissolutiva ou petrificante. Assim, a oposição rítmica, contracção e expansão, e todas as suas variadas expressões, revela um princípio de polaridade, que não diz apenas respeito ao modo de proceder da Natureza, mas ao nosso modo de o conhecer, o que é para Goethe a base de constituição de uma simbólica. A admissão de uma dualidade originária, de uma cisão primitiva, exige um movimento contínuo de um a outro, um campo de forças tensionais, que conduz ao aparecimento de um terceiro, de uma transição discontínua, uma intensificação, o que em termos cognitivos é traduzido deste modo: 'só é capaz de penar aquele que separou suficientemente para unir e uniu suficientemente para de novo separar'". (nota de rodapé de Maria Filomena Moder, in "Introdução" a A Metamorfose das Plantas)