segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Erro

"Que diz Descartes do erro, este pensador do olho que analisou um dia a sua inclinação 'para gostar' das 'pessoas vesgas'? Para o auto de La dioptrique, que também sonhava fabricar óculos e devolver a vista aos cegos, o erro é em primeiro lugar uma crença ou antes uma opinião: consistindo em aquiscer, em dizer sim, em opinar demasiado cedo, esta falta do juízo, não da percepção, trai o excesso da vontade infinita em relação ao entendimento finito. Estou no erro, engano-me porque, capaz de mover a minha vontade ao infinito e no próprio instante, posso querer ir para além da percepção, querer para além do ver". (Jacques Derrida, Memórias de Cego. O auto-retrato e outras ruínas)

Sem comentários: